Mercado Publicitário: Inovação e Impacto positivo é uma realidade na Bahia?

jun/2023

A dinâmica do mercado atual é influenciada, diretamente, pelo resultado do cenário de incerteza, dos últimos anos, que foi marcado por mudanças abruptas e temor do futuro. Vínhamos fazendo uma transição do mercado industrial para as Big techs, com forte presença da tecnologia, busca pela escalabilidade, abertura de novos mercados, mercados mais competitivos e demandas inéditas.

Nos últimos dois anos, foram gerados 90% dos dados do mundo, aumentando volume de informações e causando impacto no seu consumo. A pandemia acelerou tais mudanças influenciando na gestão da comunicação, nos processos, na cultura, na experiência do cliente e em outros fenômenos que marcam o advento de um novo modelo de pensar que é a Inovação e o compromisso com impacto social e ambiental positivo.

Neste sentido, o mercado publicitário da Bahia vive o desafio de se adaptar para seguir movimentando a economia do estado e, ao mesmo tempo, se conectando com a inovação e o impacto positivo. Olhando para a linha do tempo de desenvolvimento do nosso ecossistema de inovação podemos dizer que estamos evoluindo. Porém, o ritmo poderia ser mais rápido, sem tantos altos e baixos, mais democrático e contemplar nossas características socioculturais.

De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS, 2022) a região Nordeste concentra 13,5% dos postos de trabalho, ou seja, tem uma parcela relevante do capital humano do mercado publicitário. Porém, o quanto isso tem refletido na produção intelectual inovadora criativa de interesse e de geração de impacto positivo para a região Nordeste? Será que essa tríade entre inovação, publicidade e impacto socioambiental positivo tem sido utilizada de modo estratégico? Se sim, qual resultado tangível até o momento? Esse resultado tem sido medido?

Não podemos esquecer que a publicidade incentiva a atividade econômica e oportuniza benefícios para empresas e anunciantes, mas também impacta a sociedade com suas mensagens e campanhas. Não tenho dúvidas de que Salvador é a capital da economia da inovação e do impacto socioambiental positivo.

Por outro lado, para capitanearmos essa transformação no Nordeste, precisamos colocar o mercado publicitário a serviço dessa mudança conscientemente. Na Bahia, anualmente, perdemos ‘PIB Humano’ para o eixo Rio de Janeiro – São Paulo, com a falsa premissa de que não há oportunidades qualificadas na região. Trabalhar inovação e Impacto social e ambiental no mercado publicitário é reter talentos, é incentivar o empreendedorismo como algo central na indústria da informação e da cultura.

Como empresário de um Hub de Inovação chamado (@_startei) que ajuda diariamente as empresas a inovarem, posso afirmar que o mercado publicitário é um dos atores mais importantes para a democratização do acesso e da construção do mercado de comunicação. Ele colabora com a construção da base e do terreno adequado para que a criatividade e inovação tenham um olhar central da comunicação, jornalismo e publicidade.

Trago aqui Mohamed Yunus, grande figura dos negócios de impacto e que eu sou fã, no seu livro “Criando um negócio social: como iniciativas economicamente viáveis podem solucionar os grandes problemas da sociedade” ele diz: “Quando você planta a melhor semente da árvore mais alta num vaso pequeno, obtém uma réplica da árvore mais alta, só que com apenas alguns centímetros de altura. Não há nada de errado com a semente plantada; o único problema é que a base, o solo que você deu a ela, foi insuficiente.”

Por isso, este artigo é um convite para o mercado publicitário ser capaz de ajudar a construir solos mais férteis, provocar e estimular o melhor das pessoas, das empresas e anunciantes em busca desse posicionamento. A questão ainda é como olhamos e direcionamos nossas estratégias até os dias de hoje.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Paulo Henrique Oliveira

Paulo Henrique Oliveira

Colunista

Sócio do Hub de Inovação STARTEI e Especialista ESG e do Sistema B Brasil

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Não aperte a minha mente: saúde mental em tempo de urgência

O tempo está passando muito veloz, a velocidade é o novo valor,  virou uma commodity, a regra do quanto mais rápido melhor se consolidou. Não apenas comemos fast food, como também escutamos música e recados no WhatsApp de forma acelerada. E há quem assista filmes em...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado