Mudança, um jargão surrado e vazio

nov/2019

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos a percepção do eleitor, vamos sempre ouvir que nada mudou e que nada nunca muda, na verdade. É por isso que, contraditoriamente, o conceito se repete, alimentando uma falsa expectativa e levando sempre às mesmas frustrações. O cerne do problema está no fato de que para a massa de eleitores, mudança se mantém ligada à questões operacionais, apenas. Perguntado sobre o que significa mudança, o eleitor mais simples responderá que é “parar de roubar” e “olhar para os mais necessitados”. Convenhamos que, para uma república que vai completar 130 anos, é incrível que a expectativa se mantenha tão rasa, associada apenas às consequências e não às causas das distorções sociopolíticas. As razões dessa pobreza de avaliação são diversas mas duas parecem ser as mais evidentes: as repetidas más experiências do eleitor com as candidaturas vitoriosas e a sua absoluta falta de cultura geral, que impede que ele perceba a ideia de mudança atrelada a contextos históricos, geográficos e filosóficos e que compreenda que as transformações são bem mais do que produtos de resultados de eleições, mas de uma mobilização social permanente guiada pelo conhecimento. Essa ignorância a respeito do encadeamento dos fatos no tempo e no espaço acaba justificando uma baixa qualidade na oferta de candidaturas. Se o padrão de exigência do eleitor repousa numa objetividade simplória, serão raríssimos os candidatos preocupados com uma formação que sustente um discurso consistente, responsável e crível. A maioria dos políticos simplesmente não sente falta dela, preferindo repetir a ladainha de sempre. Infelizmente, sustentar o discurso de campanha num ideário de qualidade e que guiará uma gestão eficaz, ainda parece utopia para os padrões eleitorais e de governança pública no Brasil. Um sopro de esperança, no entanto, vem do movimento de algumas lideranças da sociedade, focado na criação de ambientes voltados para a formação de quadros capazes de promover uma renovação política. Uma iniciativa louvável, sem dúvida, e que já tem seus representes no Congresso e em alguns cargos executivos. Mas que não vai funcionar se não for acompanhada de um investimento pesado na Educação do povo brasileiro. É a capacitação intelectual do eleitor para o exercício de escolhas criteriosas o que vai promover uma verdadeira mudança no país. E permitir que se enterre de uma vez esse jargão eleitoreiro surrado, que trata de uma mudança que nunca mudou nada.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

junte-se ao mercado