Mudança, um jargão surrado e vazio

nov/2019

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos a percepção do eleitor, vamos sempre ouvir que nada mudou e que nada nunca muda, na verdade. É por isso que, contraditoriamente, o conceito se repete, alimentando uma falsa expectativa e levando sempre às mesmas frustrações. O cerne do problema está no fato de que para a massa de eleitores, mudança se mantém ligada à questões operacionais, apenas. Perguntado sobre o que significa mudança, o eleitor mais simples responderá que é “parar de roubar” e “olhar para os mais necessitados”. Convenhamos que, para uma república que vai completar 130 anos, é incrível que a expectativa se mantenha tão rasa, associada apenas às consequências e não às causas das distorções sociopolíticas. As razões dessa pobreza de avaliação são diversas mas duas parecem ser as mais evidentes: as repetidas más experiências do eleitor com as candidaturas vitoriosas e a sua absoluta falta de cultura geral, que impede que ele perceba a ideia de mudança atrelada a contextos históricos, geográficos e filosóficos e que compreenda que as transformações são bem mais do que produtos de resultados de eleições, mas de uma mobilização social permanente guiada pelo conhecimento. Essa ignorância a respeito do encadeamento dos fatos no tempo e no espaço acaba justificando uma baixa qualidade na oferta de candidaturas. Se o padrão de exigência do eleitor repousa numa objetividade simplória, serão raríssimos os candidatos preocupados com uma formação que sustente um discurso consistente, responsável e crível. A maioria dos políticos simplesmente não sente falta dela, preferindo repetir a ladainha de sempre. Infelizmente, sustentar o discurso de campanha num ideário de qualidade e que guiará uma gestão eficaz, ainda parece utopia para os padrões eleitorais e de governança pública no Brasil. Um sopro de esperança, no entanto, vem do movimento de algumas lideranças da sociedade, focado na criação de ambientes voltados para a formação de quadros capazes de promover uma renovação política. Uma iniciativa louvável, sem dúvida, e que já tem seus representes no Congresso e em alguns cargos executivos. Mas que não vai funcionar se não for acompanhada de um investimento pesado na Educação do povo brasileiro. É a capacitação intelectual do eleitor para o exercício de escolhas criteriosas o que vai promover uma verdadeira mudança no país. E permitir que se enterre de uma vez esse jargão eleitoreiro surrado, que trata de uma mudança que nunca mudou nada.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado