Não se iludam, o povo está infeliz

jan/2020

O papel do profissional de pesquisa qualitativa é parecido com aquele da mulher que responde a uma observação sobre o marido, dizendo “não é bem assim, eu durmo com ele, conheço bem”.  No nosso caso, esse “dormir junto” é uma conversa honesta, em que o entrevistado não é um número para compor alguma estatística, mas alguém que, durante pelo menos duas horas, expressa sentimentos genuínos que, inclusive, se alternam ao longo do diálogo. Mesmo quando se fala de política, mais do que ideologias ou partidos, o que vigora é um estado psicológico e suas manifestações. Por isso, como a mulher que conhece bem o marido, muitas vezes ficamos surpresos, ao nos depararmos com a difusão de certas informações desalinhadas com o sentimento real das pessoas. Claro que hoje, no Brasil, existe uma guerra de informação muito mais de cunho, digamos, “publicitário” do que noticioso. O governo apregoa vitórias em temas sensíveis à população, como a economia e a moralidade administrativa, por exemplo. Por outro lado, a oposição empenha-se em desmentir o sucesso da situação, apontando perdas em termos de cultura e direitos humanos. Esse embate encarniçado que mantém uma efervescência artificial nas redes sociais e obriga articulistas de todas as áreas a repetidas análises sobre no quê se pode acreditar ou não, começou na campanha de 2018 e caminha para um desafio importante em 2020. Até que ponto essa convicção de que a comunicação direta com as pessoas, através dos aplicativos, está sendo suficiente? As pesquisa qualitativas servem para demonstrar a vida como ela é e não como agentes da informação gostariam que fosse. Pode ser uma amarga surpresa para muitos a informação da pesquisa do Instituto Datafolha divulgada em 8 de dezembro de 2019 de que quase a metade das pessoas acham que “a corrupção continua como sempre”, em que pese a Lavajato. Quem trabalha com pesquisa qualitativa, no entanto, ouve isso o tempo todo. Bem como ouve que “esse governo não mudou nada”, que “os serviços estão precários”, que “há um retrocesso na economia”, que as pessoas estão “muito preocupadas com desemprego, insegurança e corrupção” . Sim, parece que estacionamos em 2016. Só que agora piora um pouco porque, além de tudo, há uma profunda desilusão com a aposta que foi feita. O que leva a um tremendo vazio no horizonte dos eleitores.

A percepção de uma chamada “nova política”, teoria logo abraçada, se desfaz, diante de ações típicas da “velha política”. O desemprego vivido na prática cega para o aceno de números “menos ruins”. Aos poucos, cresce a sensação de que, para todos os efeitos, o discurso político só mudou a forma – ficou mais intenso, agudo, agressivo, convicto, popularesco -, mas, no fundo apenas tenta dar um tom revolucionário a um conteúdo desacreditado na raiz. Enfim, é hora de tirar um pouco os olhos das ferramentas e prestar mais atenção nas pessoas.

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

junte-se ao mercado