O aprendizado como estratégia para o futuro do trabalho

dez/2022

Em novembro tive a oportunidade de participar de alguns eventos sobre inovação, criatividade, tecnologia, dentre eles o Scream Festival em Salvador e o Rec´n´Play em Recife. Em todas as palestras e painéis, olhares e ouvidos atentos para cases de mercado, novas ideias e caminhos que estão se construindo. Para além do conteúdo, que foi rico e denso, meu olhar para a centena de jovens e já renomados profissionais me aprofundou em uma reflexão sobre o aprendizado contínuo.

O tema lifelong learning ainda não era popular quando Bill Gates já separava duas semanas do ano para a sua Think Week (semana do pensamento), período em que se dedica exclusivamente ao aprendizado, leitura de livros e reflexões. Ao perceber cada vez mais a importância desses momentos, executivos da alta gestão da Microsoft ganharam a Think Week, sem distrações ou desafios do dia a dia de trabalho para dedicarem tempo para leitura e aprofundamento em ideias enviadas pelos colaboradores da empresa.

Fomos criados com a visão de que nossa vida seguiria a ordem: estudo, trabalho e aposentadoria. Mas a velocidade do surgimento de novas tecnologias faz com que estudo e trabalho deixem de ser uma rota linear, com começo meio e fim e virem um ciclo, onde constantemente precisamos desenvolver novas competências.

Para ser um eterno aprendiz, o primeiro passo é a auto responsabilização. É necessário entender que a iniciativa de aprender deve partir de si e então aproveitar todas as oportunidades, formais ou informais, de adquirir conhecimento. E o que não falta hoje em dia é conteúdo de qualidade! Sem falar de livros, artigos ou cursos, quanto aprendizados pode-se tirar com podcasts, documentários em streaming e vídeos no YouTube. Mas todo conteúdo pode entrar por um ouvido e sair pelo outro se não houver um aprendizado intencional: a conexão entre as experiências e a aplicação do aprendizado na vida, algo que só pode ser feito por nós mesmos.

Olhando para o mercado de trabalho, todo processo de transformação (inovação, transformação digital, mudança cultural) é um processo de aprendizagem constante. E nesse cenário, a aprendizagem também precisa fazer parte da estratégia empresarial. E para que o profissional tenha essa iniciativa, é importante que a empresa estimule a autonomia entre os seus colaboradores com uma cultura de aprendizagem, uma combinação única de conexões entre as pessoas, ações formais e informais.

O futuro do trabalho é o que estamos construindo agora, não existe uma bala de prata para o sucesso de uma empresa, uma área, um produto, uma campanha. Não existe um caminho único, já traçado, esperando apenas ser seguido. O aprendizado, a troca de ideias, as discussões de formatos são em si a construção desse novo caminho.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Thalita Di Stasi

Thalita Di Stasi

Colunista

Diretora Executiva de Soluções da Zygon

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado