O Brasil de volta à 5ª série: a cultura da digitalização e o declínio da maturidade política

nov/2022

Estou impactado com a leitura de “Infocracia: digitalização e a crise da democracia”, o mais recente livro do filósofo e cientista social sul coreano-alemão Byung Chul Han. Aprecio seus ensaios e livros, tão concisos quanto desafiadores.

Ele é um acadêmico do campo da Filosofia e das Ciências Sociais, formou-se na Alemanha e se tornou professor de Filosofia e Estudos Culturais na Universidade de Berlim. Sua obra foi traduzida em dezenas de idiomas e conta com um imenso público que se sente refletido em suas provocações.  

A dificuldade encontrada em seus textos é que ele dialoga com pesos pesados da Filosofia e exige de quem o lê alguma iniciação nas ideias dos autores. Seu escopo é a condição humana digital, no contexto de um capitalismo pós-industrial liderado por empresas de tecnologia da informação.

Em Infocracia, ele mergulha nas consequências do fenômeno da digitalização que avança inexoravelmente, submetendo nossa percepção e relação com o mundo a uma transformação radical. Deixa claro que a informação domina mediante os algoritmos e a inteligência artificial, determinando de modo decisivo os processos sociais, econômicos e políticos.

Em “No enxame: perspectivas do digital”, livro anterior, ele já demonstrava a extrema subserviência dos coletivos digitais (batizados de enxames) às ordens dos algoritmos que vigiam, controlam e alteram nossa sensação, nosso pensamento, nossas vidas em conjunto. Como ele diz:  “Embriagamo-nos hoje em dia da mídia digital, sem que possamos avaliar inteiramente as consequências dessa embriaguez. Essa cegueira e a estupidez simultânea a ela constituem a crise atual.”

Para Han o antigo regime disciplinar, descrito por M. Foucault, ficou obsoleto e foi substituído por um novo modelo que entrou em vigência: o regime da informação, o dataísmo, o controle mediante a posse de dados. Os dados passam a exercer um papel preponderante e determinante no plano político. Amalgamados aos algoritmos, os dados passam a dominar tudo por meio da inteligência artificial.

Byung Chul Han retoma hipóteses levantadas por  J. Habermas, um nome de peso da Escola de Frankfurt, do livro “História e crítica da opinião pública – a transformação estrutural da vida pública”, publicado em 1962.  Nesta obra, Habermas descreve o protagonismo dos meios de comunicação eletrônicos e o modo como destruíram o discurso racional, antes determinado pela cultura do livro. O tempo do rádio e da televisão.

A ruptura com a cultura do livro promovia  um estado mental menos reflexivo e crítico, uma “mediocracia”, causada pela postura anfiteatral em torno do aparelho televisor, onde os espectadores estariam condenados à passividade e ao silêncio, sem poder expressar opinião. 

Diferentemente do público leitor, a audiência televisiva promoveu um retrocesso e uma recaída na imaturidade. Uma regressão cognitiva que  abriu o flanco para a transmissão de conteúdo político em tom diversionista. O debate sobre questões politicas adquire um tom de  espetáculo.

A democracia, nas palavras dele, fica reduzida a uma telecracia cujo mandamento supremo é o entretenimento. Nada de produção de conhecimento, o negócio é distração. Um bom exemplo é o patético mercenário vestido de “padre de festa junina” em um debate de candidatos à presidência da República. 

Como consequência, o que se observa é a regressão da inteligência e do juízo humano. Reduz-se o senso crítico e se mantém a audiência focada na imaturidade. Esta mediocracia, governo dos medíocres ou dos media, doravante só valoriza a encenação. Já não se dá valor aos argumentos, mas à performance e à emoção. E assim, o discurso degenera em espetáculo e em publicidade. E o conteúdo político permanece em segundo plano.

Para Han, a racionalidade tem sido ameaçada pela comunicação afetiva, haja visto a estridente cultura da lacração, dos memes e do Tiktok.  Não são os melhores argumentos que prevalecem, mas a informação que provoca a maior potencialidade de excitação, afirma. É o país na 5ª série.

Neste contexto de debilidade mental, a lógica não se sustenta e já não há mais fé nos fatos, Han chama de novo niilismo, pois não se trata de matar de novo a Deus, como Nietzsche, mas da morte do fato, da fatuidade e da verdade e a instalação do falso, da pós-verdade e da mentira.

Han extrapola a análise de Habermas, saltando dos meios analógicos dos aparelhos eletrônicos de sua época (rádio e televisor) para a exponencialidade acelerada dos meios digitais, especialmente o smartphone, com os enxames de influencers, youtubers e gabinetes de fake news, etc., hábeis na manipulação dos meios digitais, passam a submeter a esfera pública ao drástico cambio estrutural.

A esta etapa Han dá o nome de infodemia, a epidemia de informação sob a qual nos encontramos.  Sob o regime da informação, que flui aceleradamente, já não há espaço para a verdade. Ademais, o ritmo da verdade, que possui a firmeza do ser, lembrando Arendt, é lento, não se sustenta na aceleração.

Concluindo com palavras de Han, a verdade se desintegra em poeira informativa, arrastada pelo vento digital.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado