O ESG, os Rankings e os Prêmios

set/2023

Desde pequenos somos colocados à prova para uma classificação. Primeiramente na sala de aula, depois no vestibular, passando pela faculdade, no emprego e assim por diante. Para as empresas não é diferente. São milhares de listas de melhores empresas para se trabalhar, melhores e maiores empresas, empresas mais inovadoras, empresas mais lucrativas, empresas que valem a pena investir etc.

No mundo do ESG e da sustentabilidade não podia ser diferente! Também existem rankings e prêmios interessantes para estas classificações.

Tem muita gente que acha que não é produtivo ou que, muitas vezes, ocorre sem muitos parâmetros. Ou ainda, que existem vieses que mostram que aqueles que aparecem mais na mídia ou nas redes sociais acabam ganhando mais prêmios ou aparecendo melhor nos rankings.

Na minha experiência nas empresas, tive uns chefes que adoravam ganhar prêmios e estarem em boas posições nos rankings. E nem era muito por função da empresa, mas sim em função do “carreirismo” deles. E tínhamos que revirar a empresa ou a organização de cima a baixo em cada premiação para achar um projeto que se destacasse ou ainda criar um projeto que tivesse visibilidade.

Eu ficava empolgado preparando os materiais, buscando os premiados anteriores, pesquisando os jurados, vendo boas referências no mercado, os benchmarks, pedia mais prazo, enfim era uma maratona do prêmio ou do ranking. E quando não ganhávamos – pois não dá para ganhar todas óbvio – era uma tristeza, os chefes sempre tinham alguém para apontar o dedo. Mas quando ganhávamos, era festa! Os sorrisos dos chefes e os louros que eles recebiam. Conclusão: tapinhas nas costas eram o que não faltavam. Quem já não passou por isso, né?

A Merco Responsabilidade ESG 2022 é um exemplo destes rankings de ESG. Este é um monitor corporativo de referência na América Latina que avalia a reputação desde o ano 2000. E o estudo e o ranking são realizados conforme a ISO 20252, de acordo como eles colocam no documento. Para chegar neste ranking foi utilizado uma amostra de 3.874 pessoas entre especialistas em responsabilidade social corporativa, ONGs, sindicatos, diretores de empresas, enfim vários stakeholders.

No ranking geral ficaram os top 10, que são: Natura, Itaú Unibanco, Ambev, Google, Grupo Boticário, Magazine Luiza, Bradesco, Unilever, Nestle e Danone. Grandes empresas que têm trabalhado com a temática e que estão sendo cobradas também para ter o ESG na “ponta da língua”. Acesse a pesquisa:

https://www.merco.info/br/actualidad/resultados-de-merco-responsabilidad-esg-brasil-22 

Outro exemplo é o Guia Melhores do ESG da Exame, que acompanho desde que foi criado com o nome de Guia Exame de Boa Cidadania Corporativa. Neste ano, em junho, o evento de premiação aconteceu na cidade de São Paulo e premiou empresas de 17 setores diferentes. Existe um questionário quantitativo de 50 perguntas de múltipla escolha sobre ESG e um qualitativo com cinco perguntas dissertativas específicas para cada setor. Para quem quiser conhecer os casos pode acessar em https://exame.com/noticias-sobre/melhores-esg-2023/1/.

O Prêmio ECO da AMCHAM é um dos mais antigos no país, pois existe desde 1982 com o foco bem ambiental e que aos poucos foi agregando os outros tópicos do desenvolvimento sustentável. Dentro deste tempo de existência já foram mais de 4 mil empresas mobilizadas com 4.200 projetos e 390 premiados. Nesta premiação já tive a oportunidade de participar concorrendo e como jurado também. As inscrições deste ano já se encerraram e logo mais deverá ter o evento de premiação. E todos os casos desde 2008 estão descritos no banco de práticas empresa por empresa: https://www.premioeco.com.br/banco.

Dentro dos segmentos de negócios também existem os prêmios específicos como o Prêmio Braztoa de Sustentabilidade, da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo que reúne as diversas empresas de operação, agenciamento de viagens e representação de serviços turísticos. Que inclusive está ainda aberta para inscrições neste ano. Mas o legal é que juntamente com o Ministério do Turismo do Governo Federal e outros parceiros estão mapeando as ações sustentáveis no Brasil inteiro. E que podem ser vistas neste site: http://iniciativassustentaveis.turismo.gov.br.

E para finalizar conheço muito bem também o Prêmio de Sustentabilidade da SETCESP, que é do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região e já está na sua nona edição neste ano, com as inscrições já encerradas. Nesta premiação, além das categorias de Responsabilidade Ambiental, Social e Governança, existe a Responsabilidade na Segurança Viária ou do Trabalho que traz vários casos muito interessantes do dia a dia deste setor. E para sistematizar algumas destas ideias que acontecem desde 2015, a organização criou um e-book que pode ser baixado gratuitamente em: https://setcesp.org.br/publicacoes/ebooksustentabilidade/ 

Ainda existem várias premiações que colocam a categoria Newton Rique de Sustentabilidade e ESG com um dos tópicos do prêmio, como é o caso do Prêmio Abrasce, da Associação Brasileira de Shopping Centers.

Pois é, esta necessidade de classificação e comparação é muito saudável para que busquemos a evolução da implementação da cultura do ESG e da Sustentabilidade. Mesmo que sejam ainda de uma forma “carreirista” ou somente para a visibilidade. A criação de indicadores da premiação acaba ajudando o setor e as empresas a questionarem suas ações e casos. E investirem em melhorias e projetos na área. Só precisamos tomar cuidado para não ficarmos criando projetos ou ações temporárias (fantasmas) que de uma hora para outra desaparecem para dar lugar a um novo para outro prêmio ou ranking.

Um dia não precisaremos mais de tudo isso, pois todas estas temáticas já estarão no dia a dia das organizações e das pessoas. E você conhece algum outro prêmio ou ranking de sustentabilidade e ESG?

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Marcus Nakagawa

Marcus Nakagawa

Colunista

Professor doutor da ESPM; coordenador do Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental (CEDS); idealizador e presidente da Abraps; idealizador da Plataforma Dias Mais Sustentáveis; e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. Autor dos livros: Marketing para Ambientes Disruptivos, Administração por Competências e 101 Dias com Ações Mais Sustentáveis para Mudar o Mundo (Prêmio Jabuti 2019)

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado