O militante substituiu o eleitor

set/2019

Dá pra dizer que, em tempos de normalidade, a relação da sociedade com os governos sempre foi meio “ele lá, eu aqui”. Isto é, o vínculo do voto, de um modo geral, esteve limitado à delegação do poder a alguém capaz de gerar alguma expectativa (tradicionalmente, desconfiada) do cumprimento de certas promessas de campanha. Seguida por uma natural e latente disposição para a crítica. Afinal, está instalado em nossa cultura que um governo dificilmente consegue dar conta da maior parte das demandas de seus eleitores.


E, assim se ia levando a vida, ora compreendendo, ora duvidando, ora reclamando… Até o próximo pleito.


Da eleição de Lula pra cá, esse panorama teve uma mudança dramática. O eleitor, tradicional descrente na política, resolve apostar na pessoa de um político. E o populismo, adormecido desde Getúlio Vargas, renasce com força. É verdade que Fernando Collor tentou ressuscitá-lo antes, mas não teve sucesso. Lula, pelo contrário, soube alimentar a criatura com eficiência, mantê-la viva e ativa por dois governos e ainda enfiá-la goela abaixo de todos, quando da eleição e da reeleição de Dilma. Com isso, o tanto de racionalidade que, mesmo muitas vezes disfarçada de esperança, conduzia as decisões dos eleitores, foi sendo substituída por um ascendente e raivoso exercício de militância. Por mais que se queira atribuir a Bolsonaro a implantação de um permanente estado de confronto, o atual presidente apenas inverteu a mão do “nós x eles”, estimulado a partir de 2002. Uma militância aguerrida levou Lula ao poder e depois a Dilma. Uma militância aguerrida elegeu Bolsonaro, aproveitando que Dilma, embora tenha herdado a presidência, esteve muito longe de herdar o “culto à personalidade” dedicado a Lula. Guardadas as devidas proporções e circunstâncias, é mais ou menos o que ocorreu entre Chávez e Maduro, na Venezuela. A diferença é que Maduro resolveu ficar no poder na marra, enquanto Dilma foi, digamos, retirada do poder na marra. Com consequências evidentemente diferentes aqui e lá. A imposição de Maduro levou a Venezuela a uma profunda deterioração da democracia; no Brasil o eleitor teve a oportunidade e resolveu, democraticamente, trocar de populista. Por uma razão relativamente simples: em 2018, Dilma, como Temer, já não significavam nada no imaginário popular e o candidato natural à vitória – Lula – estava fora de combate. O que sobrou? O populista da vez. Se Bolsonaro era de direita ou de esquerda, pouco importou. Falar em voto ideológico no Brasil é piada. A questão que fica é se há alguma chance de, em 2020, ser resgatada alguma racionalidade eleitoral anterior a 2002 ou se vamos continuar instrumentalizando o fanatismo cego insuflado no eleitor brasileiro.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing. Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.
Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado