O que importa é a produção!

jul/2022

Na contemporaneidade da escassez de horas, de profissionais ultra-tarefas, de benefícios encurtados e um surto coletivo de doenças ocupacionais-psicológicas, vivemos um paradigma nesse mundo “tech”, onde a inovação e as ondas “alpha, beta, meta” ditam os novos movimentos.

Sim, é um mundo “controverso”. De um lado, precisamos produzir mais do que a capacidade instalada; aqui se percebe o todo. Fruto de gestões imediatistas e números intermináveis, que despersonalizam/ descaracterizam o humano e, resumem as pessoas à quantidade de operações que elas representam. Por outro, somos abarrotados de soluções e recursos tecnológicos, que buscam a inovação como meio e, trazem juntos aos seus conceitos a palavra “experiência”.

Experiência esta, que está ancorada em termos, cada vez mais globais e curtos (Growth, UX, UI, ESG e etc.) e que, de certa maneira, acaba tornando-se anatômica ao contexto citado no primeiro parágrafo.

Quando os conceitos, de uma era tecnológica e futurista foram desenhados, o cliente, a personalização, a conectividade e a experiência norteavam os estudos do mercado, que absolutamente se consolidou ao perceber as necessidades e as redes de experiências vivenciadas por seus arquétipos, personas e jornadas de compra. Essas foram as principais molas propulsoras para o desenvolvimento de uma economia e consumo “tech”. Muitas organizações se abasteceram desse conhecimento e imergiram no que era importante em cada etapa, trazendo realismo e verdadeiras surpresas ao mundo capitalista.

Investiram em conhecimento, em pesquisa e inteligência de mercado e transformaram suas operações para funcionarem “full” e de modo “feel” todo o tempo. Nessas companhias, o avanço “tech” se estendeu a humanização, a inovação, ao macro e micro ambientes e, prezou-se pela experiência qualitativa como parte essencial para um crescimento estratégico e pensado a longo prazo. Não são poucas organizações que estão nesse processo e, é perceptível tão quando fácil de identificar as mesmas.

Seguindo paralelo a esse sistema, outras enveredaram para o funcionamento “full”, de modo “full” em todas as suas cadeias de produção; onde a experiência é um ponto neutro no seu processo. O enriquecimento de gestões imediatistas, que precisam dar espaço a entregas gigantescas, neutralizaram a qualidade e a base de seus processos: “O que importa é a produção!”. Não importa como, nem de que forma a entrega chegue. Ela precisa apenas chegar.

Não se vê a cadeia como parte fundamental do processo e, tal maneira, não se enxergam também as pessoas, as experiências, o micro e o macro como um todo. Não se pensa estrategicamente a longo prazo, como continuidade de uma cadeia natural, aonde os negócios fluem pela qualidade e experiência ofertada. A quantidade é ditadora. E, também, é muito fácil identificar essas organizações, já que são e ainda estão em sua maioria. Em todas as áreas, segmentos e brechas.

Em meio a uma revolução de multi conexões, ainda nos deparamos com negócios retrógrados, que por falta de visão do mercado situacional da época, não tinham a oportunidade de aprofundar-se como hoje.

A sensação desse tipo de negócio é que a preocupação com o volume é tão vertiginoso e apavorador, que a qualidade pode passar percebida, mas ela sempre será negligenciada.

_______________

O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Laila Bensabath

Laila Bensabath

Colunista Convidado

Growth Hacker Manager & Digital Marketing
LinkedIn Laila Bensabath

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado