O raso e o profundo

jan/2022

Causou frisson na turma quando o professor doutor José Itzigsohn anunciou que a avaliação final de sua disciplina seria um exame oral. Todos ficamos surpresos com aquela novidade, afinal as avaliações eram sempre seminários e resenhas.

Ele era um catedrático de Psicologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, professor convidado em nossa universidade, em Salamanca, Espanha. Sua disciplina – Terapias Breves – não era a preferida dos alunos, mas ele, além de experiente e veterano psicólogo, um humanista e erudito, era mais que tudo um judeu argentino falando castelhano com acento de Astor Piazolla e muito bem humorado.

Trazia humor às aulas e um agudo senso crítico. Ganhou a simpatia da turma. Foi um dos tantos profissionais vítimas da sórdida ditadura argentina, perseguidos e forçados a saírem do país para outros destinos como Israel, Brasil, Espanha.   

Estávamos no começo dos anos de 1990 e as Terapias Breves eram encaradas com desconfiança. Professor Itzigsohn, entretanto, trabalhava no serviço público de saúde, em Israel, e deixava claro que, por lá, o Estado só cobria terapias grupais ou, se fossem individuais, se fossem com poucas sessões e numa abordagem focada na solução de problemas.  

Suas aulas tratavam do amplo leque de experimentos em diversos lugares do mundo e com abordagens variadas – dinâmicas, condutistas e cognitivistas. Descrevia também os passos do movimento da psiquiatria comunitária e a aplicação de meios terapêuticos e profiláticos para setores cada vez mais amplos da população.  

Eu era o único latino-americano em uma turma exclusivamente de espanhóis. Uma coincidência, eu tinha sido analisando, em Salvador, de um conterrâneo seu: o psicanalista Emílio Rodrigué, da mesma geração dos migrantes à força. Estas convergências logo nos aproximaram e, em alguns cafezinhos na cantina trocamos tango e samba, Mercedes Sosa e Gal Costa, Maradona e Pelé. Com mais confiança, pude demonstrar minha impressão sobre a pouca profundidade e complexidade das terapias breves.   

Prof. Itzigsohn escutava as críticas com serenidade, mas defendia o processo breve com pragmatismo. Eram as contingências do contexto local, as políticas de Saúde Pública, a exigência de um tratamento mais célere e acessível, a tensão social naquele período e daquela sociedade. Como acelerar a adaptação de um contingente imenso de migrantes vindos da extensa diáspora?

Enfim, eis o dia do exame oral. Eu havia esquematizado um roteiro e tomei um susto quando ele interrompeu minha exposição, se desculpando e me garantindo aprovação. Mas preferia escutar o que eu queria dizer com a falta de profundidade, complexidade. Mal comecei a trazer os argumentos, ele pediu licença e começou a contar o caso de uma pescaria em sua juventude, em Buenos Aires, muitos anos antes.  

Mi caro Carlos de Bahía, eu gosto muito de pescar. A primeira vez que fui pescar nas pedras do cais da avenida Costanera, em frente ao Aeroparque Internacional José Newbery, levei comigo o que tinha de melhor em termos de artigos de pesca: caniço, molinete, profusão de anzóis, iscas fartas, carreteis com linhas de nylon reforçadas, etc. Casi todo regalo de cumpleaños. Me instalei num lugar alto e dei início ao processo, arremessando o anzol bem longe. Esperava fisgada, um sinal de peixe, mas não havia, recolhi a linha, dei novo impulso e atirei a isca para ainda mais longe. Troquei de lugar, jogando a linha muitos metros à frente. E nada do peixe morder. Fiquei mais de meia hora nessa frustração, fazia um calor infernal, e eu já estava irritado. Pertinho de mim, um sujeito com uma vara de bambu simplória e uma linha curta puxava um peixe atrás do outro. Fiquei intrigado, me dirigi a ele, reparei o cesto no chão recheado de peixes.   

Ele foi receptivo, mas não parava de fazer o que estava fazendo. Conversou comigo com uma isca entre os lábios e enquanto falava, ajeitava o anzol e sua varinha de bambu. Em um momento me olhou com ar de pena e perguntou:

– Rapaz, você não sabe que ali adiante é raso e não tem nem um metro de profundidade? Ali é um banco de areia. Profundidade é aqui, rapaz. – disse,  apontando para o canal a dois metros à frente.

– A correnteza do rio cavou um canal de mais de cinco metros de profundidade aqui, perto das pedras. É aqui que os peixes gostam de ficar. É melhor você vir para cá.

Faz tantos anos e eu nunca me esqueci desse dia, em Salamanca, em que o professor me fisgou com essa história. Ele saiu da pescaria com o balaio cheio e selou amizade com o parceiro gente boa. Eu tirei nota máxima no exame e desde então estou convicto de que profundidade é quando tem peixe.

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado