Outra política, outro marketing

mar/2020

Imagine ter que vender alguma coisa em que pouca gente acredita. Alguma coisa a respeito da qual todos os argumentos de venda já foram usados e decodificados pelos potenciais compradores.

Pois é. Todo profissional de marketing político estará, neste ano, diante dessa desafiadora circunstância: tentar demonstrar que Política e políticos não são aquilo que a má política e os maus políticos andaram fazendo. E que as transformações almejadas na Política passam, necessariamente, pela eleição de:  políticos. Como acontece quando alguém é picado por uma cobra e a solução está no uso do soro antiofídico extraído da própria cobra, a solução para a crise política será sempre uma solução política.

Já disse a pensadora alemã Hannah Arendt, que “a política é a arte da convivência”. Portanto, sem política estabelece-se o caos, pois como, em outra ocasião lembrou a mesma pensadora, “a única coisa que todos temos em comum é sermos todos diferentes uns dos outros” – razão pela qual ela se opunha enfaticamente a qualquer proposta autoritária, aquela que impõe sua vontade e tenta converter a todos em seguidores de um único pensamento. O caminho para o exercício de uma política saudável sempre buscará algum tipo de consenso, sem renunciar ao contraditório, e o impasse se resolverá pelo voto. E todos acolherão, democraticamente, o resultado. Assim deveria ser.

Vivemos um momento complicado sob esse aspecto no Brasil. Afinal, quando a política é colocada em questão, a democracia perde sustentação. E democracia sem sustentação é um prato cheio para aventureiros. Gente que faz um coro oportunista à indignação popular e que, para além de criticar a desigualdade social e a corrupção, atribui esses males à política em si, provocando nos eleitores, muitas vezes, um “tanto faz” perigosíssimo para todos. É um discurso superficial e oportunista. Mas que carrega uma característica poderosa de convencimento: a simplicidade. Não por acaso, o último Presidente eleito teve na simplicidade (e na simploriedade) dos discursos um importante fator de adesão. Os candidatos (e seus assessores de comunicação) terão que encontrar um discurso simples e objetivo, na forma, porém dotado de conceitos respeitáveis, em termos de competência e sensibilidade social para a gestão pública, no conteúdo. Principalmente, um discurso sem truques, sem cacoetes de marketing e sem ilusionismos. São essas definições que precisam ser resgatadas urgente e didaticamente para recuperarmos os eleitores perdidos e para que se estabeleça algum sentido de construção coletiva nesta eleição. E nós, profissionais do marketing, somos peça fundamental nesse processo.

Karin Koshima
karinkoshima@terra.com.br

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Especialista no comportamento do eleitor e do consumidor. Consultora em marketing político e pesquisas de opinião.  Mestre em políticas públicas.

 

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado