Porque convivemos com tantas incertezas

set/2023

A busca dos líderes é ser extremamente racional para decidir com base em análises igualmente racionais. Daí surge a síndrome do Dr. Spock! Simplesmente porque o personagem do seriado Star trek (Jornada nas estrelas) personifica o raciocínio lógico próprio, sem manifestar emoções. Para aliviar as tensões geradas pela síndrome do Dr. Spock, vale lembrar que não é possível, para um ser humano, levantar todas as informações e analisar todas as variáveis que envolvem um problema. Essa impossibilidade, foi descrita por Herbert Simon, na teoria da Racionalidade Limitada. Simon, com essa teoria, ganhou o Prêmio Nobel de Economia em 1978, esse conhecimento não é novo!

Existem períodos durante os quais as pessoas sentem que suas decisões não são tão boas quanto desejariam. Aqui, a ideia de pedir conselhos, de desacelerar antes de tomar decisões, de se recolher, são boas recomendações. Em situações de crise, as pessoas começam a agir segundo regras, em vez de seguir seus instintos. Elas se tornam mais conservadoras, no sentido de não confiar demais em sua intuição. Aceitam mais conselhos e seguem mais regras

Sim, a experiência e a competência de alguns profissionais ajudam para que tenham bom nível de assertividade. Por outro lado, aprenderam a selecionar o que é relevante, mas não têm todas as informações referentes ao problema. É possível entender, então, que mudanças rápidas do mercado geraram o desaparecimento de verdadeiros gigantes, como a Blackberry, Nokia e Kodak, que com certeza tinham excelentes executivos, mas estes não souberam reconhecer a tempo que o que era relevante para eles deixou de ser para o mercado. 

A síndrome de ser o Dr. Spock é natural. Afinal, durante a formação acadêmica, os teóricos e pesquisadores acabaram por reforçar e confirmar a prática alimentada pela crença de que é mais importante e produtivo quantificar do que humanizar.

 Então, como agir? Os líderes contemporâneos devem ter o desejo de sucesso por uma causa maior que eles mesmos, conforme ressalta Shimon Peres no artigo Management intuition for the next 50 years, publicado pela McKinsey Quarterly: em momentos de extrema volatilidade, a experiência passada é um guia pouco confiável para os resultados futuros; crie a cultura do ceticismo construtivo e se cerque de pessoas que apresentem múltiplas perspectivas e não tenham medo de desafiar o chefe;  e procure agir com calma em meio ao caos. 

Portanto, pratique novas formas de comunicar a estratégia com mensagens simples e claras que ressoem através das culturas. 

Pense de forma complexa e transmita de forma simples!

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Roberto Camanho

Roberto Camanho

Colunista

Professor e Coordenador do Hub de Inovação do curso de Administração da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing. Mestre em gestão de inovação e engenheiro mecânico. Especialista em processos decisórios.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado