Receita rápida para mente estratégica

dez/2023

Quase no apagar das luzes de Dezembro, ao deixar espaço para os brilhos que justificam o Natal e um Novo Ano, questões pessoais e profissionais ficam mais latentes e pulsam no coração das pessoas e no administrativo das empresas.

Vemos tristezas com o fim de um ciclo profissional para alguns, ansiedade para a resposta de um processo seletivo que pode revirar a vida de outros; pessoas que se vão da vida de alguém para a vida de outro alguém ou desse plano terrestre; reencontros e desencontros.

Claro que tudo isso pode acontecer em diversos momentos do ano, mas nessa época costumamos ser mais nostálgicos, sensíveis e tudo parece mais marcante. Lembrem-se, também, que sou professora e, na academia, nossa vida é semestral…rs. Desligamentos e contratações são comuns ao final de cada semestre, principalmente no final do ano.

Existem diversos tipos de pessoas:

Há quem faça uma retrospectiva – gosto dessa “pegada” desde que me sirva como exemplo para melhorar as atitudes, ações e estratégias para o ano seguinte e, apesar de gostar, não costumo fazer com frequência. Prefiro tentar melhorar minha conduta em cada momento que percebo que ela merece novos rumos ou reflexões. Prefiro ser alguém melhor ou uma profissional mais capacitada seguindo o que o mercado “pede”, buscando evolução e aperfeiçoamento constantes.

Há quem faça uma lista de desejos ou metas para o próximo ano – também acho válido desde que seja acompanhada de um cronograma com indicadores tangíveis e outros que os desafiem a crescer cada vez mais. O problema é que parte dessas mesmas pessoas coloca objetivos inatingíveis ou esquece da lista e só se lembra dela quando chega o momento de fazer a próxima.

Há quem não faz nada e espera resultados surpreendentes apenas sendo a mesma pessoa de sempre, sem objetivos, metas, indicadores, planos ou sequer ações que possam colaborar com mudanças – passo longe desses, uma vez que tudo o que tem movimento muda e, se não mudarmos e evoluirmos deixamos passar grandes oportunidades.

Há tantos perfis diferentes e de certa forma parecidos, sem ações que tenham resultados satisfatórios.

Talvez alguém esteja se perguntando se nunca relaxo. Ahhhh… sim, claro que relaxo e não sou tão certinha com minhas ações, mas tenho uma mente estratégica e prefiro usá-la constantemente e para tudo, seja em minha vida profissional ou pessoal. Relaxo, mas meu radar fica alerta mesmo que eu não queira. Relaxo, mas meus olhos enxergam possibilidades em quaisquer lugares que minha visão alcança e, estrategicamente, também deixo passar muitas coisas para me sentir mais relaxada.

Se a pergunta é como fazer isso? A resposta será: treine sua mente! Quanto mais você a usar de uma maneira estratégica, mais ela vai querer funcionar desse jeito. É similar à musculação, onde os músculos precisam de frequência para sentirem necessidade de continuar se exercitando. É como aprender a falar, andar de bike, comer. 

A receita até que é simples, são poucos ingredientes: Sua própria mente, algum estímulo (premiação inicial) e treino, colocando-a para funcionar constantemente. Sobre o modo de preparo, quando for se alimentar, repare nas marcas e pense em como pode usá-las para outros fins, em conexões com o que você faz em seu trabalho, por exemplo. Faça uma lista de marcas e possibilidades, busque no LinkedIn os diretores de área dessas empresas, se conecte e tente contato. Em cada passo seu, terão infinitas possibilidades – basta olhar estrategicamente. Olhe para fora do celular para buscar possibilidades e use a tecnologia para as amarrações e conexões. 

Essa receita pode ser adaptada de diversas formas, utilizando transporte público, carro particular, praia, montanha, escritório, boteco/restaurante ou o que melhor lhe convier. E, o tempo de preparo é breve, porém infinito uma vez que poderá lhe abrir a mente e muitas “portas”.

Aliás, sabe quantas pessoas essa receita serve? VOCÊ! E todos que estiverem ao seu redor também serão beneficiados porque vivemos em rede, uma rede social que vai além dos aplicativos de celular, uma rede que, quando se conecta, prolifera e faz mais e mais conexões.

É momento de re-visões, re-lações, re-conexões!

Prepare a sua receita e compartilhe as fotos e resultados comigo. Te espero no Direct do Insta @erikabuzomartins

Um Natal cheio de Luz e um Novo Ano repleto de estratégias incríveis para você, seus familiares e toda sua rede. Até 2024!

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Erika Buzo Martins

Erika Buzo Martins

Colunista

Doutora em Administração, Especialista em Marketing e Publicitária. É entusiasta dos estudos sobre comportamento humano/consumidor, trabalha com consultoria em Desenvolvimento Humano e Marketing. É Master Trainer em Programação Neurolinguística e Coach e, além de atuar como professora universitária há mais de 18 anos, é supervisora de Marketing do curso de Administração da ESPM-SP.

Mais artigos

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Não aperte a minha mente: saúde mental em tempo de urgência

O tempo está passando muito veloz, a velocidade é o novo valor,  virou uma commodity, a regra do quanto mais rápido melhor se consolidou. Não apenas comemos fast food, como também escutamos música e recados no WhatsApp de forma acelerada. E há quem assista filmes em...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado