UM RESUMO DO ADTECH & DATA 2019

ago/2019

No último dia 27, aconteceu em São Paulo a edição de 2019 do AdTech & Data, o maior evento nacional sobre a área, e que é promovido pelo IAB Brasil. Na edição deste ano, chamou a atenção a participação de palestrantes internacionais, o que demonstra o amadurecimento e a maior relevância do mercado Brasil para o mundo.

Participei do evento junto com dois colegas da Zygon, das áreas de Planejamento e Trading (mídia) e percebemos que as palestras trataram sobre 3 grandes temas. Detalho aqui:

 

Dados são sobre pessoas

Houve apresentação sobre aplicação de modelos baseados em dados para atribuição, jornada e clusterização, mas chamou atenção o foco de que tudo isso serve, no fim do dia, para possibilitar uma comunicação personalizada (não apenas segmentada) a fim de aumentar a relevância e adequação dos anúncios, melhorando a eficiência dos investimentos dos anunciantes.

Em outras palavras, os dados (quantitativos ou qualitativos) tratam de pessoas, que têm necessidades e expectativas que podem ser atendidas pelos anunciantes e temos à nossa disposição a capacidade de atender isso individualmente e em escala. Também por isso, a regulamentação no uso de dados tem avançado, dando maior controle aos usuários e aos governos. Para o mercado nacional, importa especialmente a Lei Geral de Proteção de Dados, que entrará em vigor ano que vem, e não tem toda sua regulamentação definida.

Em termos práticos, se falou:

– MMM (Media Mix Modeling) como o modelo mais adequado para se aferir a performance de cada ação de comunicação on e offline;

– Aliar a automação da compra de mídia com a automação da personalização de peças usando tecnologias de criativos dinâmicos;

– Importância do Consumer Data Compliance, se adequando às regras do GDPR, lei de dados européia, até a plena regulamentação da lei nacional;

Comunicação O2O (On to Off, e vice versa)

Os anunciantes, veículos, agências e plataformas estão dedicados a enxergar a comunicação sem barreiras entre on e offline. A modelagem MMM, citada acima, tem sido amplamente adotada para permitir uma análise multicanais da eficiência da comunicação. Nessa linha, foi apresentado o termo O2O, online para offline, e vice versa, como o paradigma atual, já que o consumidor está o tempo inteiro disponível em pontos de contato online e offline.

Em termos práticos:

– Há ferramentas que possibilitam mensurar o impacto de veiculações offline, como em TV, no online;

– Os dados dos veículos offline alavancam a performance de campanhas online;

– Maior integração entre os conteúdos veiculados offline e online.

O largo espectro da atuação online

O ambiente digital oferece tantas opções e combinações que não há uma dualidade CERTO-ERRADO ou BRANCO-PRETO no modelo de funcionamento adotado por anunciantes, veículos, agências e plataformas, mas sim um longo espectro, um imenso degradê de modelos que pode ser adotado de acordo com as especificidades de cada player.

De forma prática, podemos dividir a atuação digital em 5 linhas: 1) dados de audiência; 2) criação de conteúdos; 3) mídia; 4) métricas; 5) contratos com plataformas. Um player pode decidir internalizar ou terceirizar cada uma dessas linhas a depender a) do seu tipo de negócio, b) capacidade de investimento, c) diversidade de públicos; d) agilidades dos ciclos; e e) sensibilidade dos dados.

De qualquer forma, para qualquer cenário, é preciso agregar expertise externa, visto que a complexidade do ambiente digital é tão grande que é impossível internalizar todo know-how e tecnologia necessários para uma atuação eficiente.

Pelos temas apresentados, é possível ver uma maturidade bastante grande da indústria de Adtech, atenta a questões consistentes como compliance, eficiência, modelos de adoção, entre outros, fugindo do Hype de que “com o digital, nada será como antes”, para uma visão mais sóbria de que a lógica digital já é o novo normal, e que é preciso dialogar com os outros meios e entender que não existe um jeito único de atuar.

Lucas Reis

Lucas Reis

Colunista

Presidente da ABMP, CEO da Zygon e Doutor em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado