Uma arena cruel

dez/2019

Vemos em todo o mundo “explosões populares” que expressam: “não aguentamos mais”! A verdade é que o povo, de modo geral, está insatisfeito.  Uma das raízes do problema é a concentração de riqueza, acentuada pela revolução da indústria 4.0 e agravada pelo alto índice de desemprego. As desigualdades aumentam, e a polarização cresce por conta disso, também.

No Brasil, temos o agravante de uma política oligárquica que perpetuou as desigualdades, ao priorizar políticas excludentes, repressivas e assistencialistas. A política neoliberal, mais recentemente, foi eficiente no combate à crise fiscal e, consequentemente, da inflação, mas do ponto de vista social acentuou o quadro de desequilíbrio social, precarização da força de trabalho, violência urbana, em paralelo, a um sistema de proteção social ineficaz.

Somente uma política pode unificar aquilo que está atomizado – afirma o cientista político Luiz Eduardo Soares.  Em outras palavras, cada intervenção isoladamente tem sua meta, seu método e sua consistência.  Mas o que produzimos é um conjunto de projetos político-societários fragmentados, que somados à escassez de investimentos públicos em políticas sociais, à histórica centralização política e administrativa e ao desvio de recursos, empurram uma grande parcela de brasileiros a ocuparem a arena das mais cruéis formas de violação de direitos em suas múltiplas facetas.  Essas questões, que deveriam ser abordadas a partir de políticas de caráter redistributivos, têm sido respondidas com políticas focais, que aprofundam as desigualdades e despolitizam os sujeitos violados, deslocando o paradigma dos direitos sociais para uma condição periférica. Nesse plano, é que, com frequência, faltam uma política, a meta, o método – e a justiça.

Estabelecer um novo padrão de gestão pública que reordene as prioridades “Estado–mercado” e contemple as reformas de interesse social é um imperativo moral. É preciso atacar o quanto antes as desigualdades para deslanchar um círculo virtuoso de crescimento inclusivo e sustentável. Mas, para além desses aspectos, precisamos discutir, também, a necessidade de o Estado promover a regulação inteligente das tecnologias e da informação, calibrando os interesses diversos – pois se a tecnologia tem sido a ferramenta definitiva para a eficiência em escala, seu mau uso tem retroalimentado essas disparidades em escala mundial e precisamos saber o que fazer com isso – especialmente em um quadro de grave desemprego.

Não podemos mais ignorar essas situações que atingem perversamente, e cada vez mais, os segmentos mais vulneráveis. Essa multifacetada temática merece discussões profundas para que possamos ultrapassar a barreira de olhares simplistas e parciais que impedem uma discussão ponderada sobre esses grandes desafios, essencial para a construção de um bom futuro– algo muito distante dos ânimos atuais.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado