Uma arena cruel

dez/2019

Vemos em todo o mundo “explosões populares” que expressam: “não aguentamos mais”! A verdade é que o povo, de modo geral, está insatisfeito.  Uma das raízes do problema é a concentração de riqueza, acentuada pela revolução da indústria 4.0 e agravada pelo alto índice de desemprego. As desigualdades aumentam, e a polarização cresce por conta disso, também.

No Brasil, temos o agravante de uma política oligárquica que perpetuou as desigualdades, ao priorizar políticas excludentes, repressivas e assistencialistas. A política neoliberal, mais recentemente, foi eficiente no combate à crise fiscal e, consequentemente, da inflação, mas do ponto de vista social acentuou o quadro de desequilíbrio social, precarização da força de trabalho, violência urbana, em paralelo, a um sistema de proteção social ineficaz.

Somente uma política pode unificar aquilo que está atomizado – afirma o cientista político Luiz Eduardo Soares.  Em outras palavras, cada intervenção isoladamente tem sua meta, seu método e sua consistência.  Mas o que produzimos é um conjunto de projetos político-societários fragmentados, que somados à escassez de investimentos públicos em políticas sociais, à histórica centralização política e administrativa e ao desvio de recursos, empurram uma grande parcela de brasileiros a ocuparem a arena das mais cruéis formas de violação de direitos em suas múltiplas facetas.  Essas questões, que deveriam ser abordadas a partir de políticas de caráter redistributivos, têm sido respondidas com políticas focais, que aprofundam as desigualdades e despolitizam os sujeitos violados, deslocando o paradigma dos direitos sociais para uma condição periférica. Nesse plano, é que, com frequência, faltam uma política, a meta, o método – e a justiça.

Estabelecer um novo padrão de gestão pública que reordene as prioridades “Estado–mercado” e contemple as reformas de interesse social é um imperativo moral. É preciso atacar o quanto antes as desigualdades para deslanchar um círculo virtuoso de crescimento inclusivo e sustentável. Mas, para além desses aspectos, precisamos discutir, também, a necessidade de o Estado promover a regulação inteligente das tecnologias e da informação, calibrando os interesses diversos – pois se a tecnologia tem sido a ferramenta definitiva para a eficiência em escala, seu mau uso tem retroalimentado essas disparidades em escala mundial e precisamos saber o que fazer com isso – especialmente em um quadro de grave desemprego.

Não podemos mais ignorar essas situações que atingem perversamente, e cada vez mais, os segmentos mais vulneráveis. Essa multifacetada temática merece discussões profundas para que possamos ultrapassar a barreira de olhares simplistas e parciais que impedem uma discussão ponderada sobre esses grandes desafios, essencial para a construção de um bom futuro– algo muito distante dos ânimos atuais.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

junte-se ao mercado