Vacina pouca, meu braço primeiro

mar/2021

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de Agostinho Carrara. Lineu e dona Nenê, personagens da antológica série de TV, jamais lançariam mão, por exemplo, no auxílio emergencial, criado para as famílias mais afetadas economicamente pela pandemia da Covid-19, como o fizeram os mais de 680 mil servidores federais, estaduais e municipais, genuínos representantes da Lei de Gerson, gente esperta e que só pensa em levar vantagem.  

Há mais de duas décadas dou aulas de Ética em cursos de pós-graduação, quase sempre dirigidas aos gestores empresariais e por isso Ética nas Organizações. Os alunos chegam reticentes em relação à matéria, julgam que será uma sessão de catequese e conselhos morais.     

Ao longo das aulas, felizmente, se empolgam com o método participativo e passam a compartilhar suas experiências, comparando as boas práticas e políticas de gestão com e por valores éticos, com ações cosméticas em lugar de ética. São unânimes em apontar os avanços éticos no âmbito da diversidade e da inclusão.    

O clima esquenta quando os mais experientes no mercado de trabalho trazem histórias de escândalos empresariais. Como meus alunos vem de absolutamente todos as áreas profissionais, logo se vê que a corrosão da ética se dá em toda parte. Ouvi relatos de gente das engenharias e empreiteiras, escritórios de advocacia e contábeis, marketing, saúde, educação, Terceiro Setor, gestão pública, política, polícia e Forças Armadas, igrejas e organizações religiosas.

Aos poucos entendem que os temas têm muita relevância e podem ajudá-los na hora de atravessarem o temido portal da tomada de decisão e nos dilemas éticos. A ficha cai quando se dão conta de que ética está ligada visceralmente à liberdade e que a vida não tem tutorial ou manual de instruções. As esquinas da carreira profissional demandam postura (héxis) e caráter (ethos), duas raízes para a palavra ética. Ambas convergem num ponto: o cuidado de si e o zelo com a polis.

Enquanto o radical grego ethos se refere aos costumes e à formação do caráter para o exercício da vida na esfera pública, a héxis, outra raiz, remete à postura corporal, à atitude de um atleta numa disputa esportiva ou de um guerreiro antes da luta. A ética como héxis seria uma predisposição corporal para a ação: seja de defesa da comunidade ou de disputa da coroa de louros.

Parece que as estátuas gregas com belos corpos desnudos confirmam essa relação entre ética, postura e predisposição para a ação. Afinal, como alcançar a coroa de louros olímpica sem ter se implicado com disciplina, rigor, pontualidade, renúncia, resiliência, dedicação, determinação e foco?

Quanta héxis está contida, por exemplo, nas medalhas de ouro da gaúcha Daiane dos Santos? Ou do paratleta nadador Daniel Dias? Ou dos profissionais de saúde que se dedicam dia e noite no enfrentamento da pandemia? Bem falou Aristóteles: o caráter de uma pessoa é, em última análise, a soma de suas múltiplas héxeis.

 

Senhores passageiros

Uma nova safra de alunos, mais impaciente com o conteúdo reflexivo e filosófico, sugere que enfatize mais questões práticas da vida empresarial: código de conduta, governança, protocolos jurídicos, ouvidoria, controles, auditoria, fiscalização, enfim, Compliance.

Mas eu não arredo o pé das ruas de Atenas. Sigo peripateticamente, com ironia socrática, demonstrando a eles que aquela urgência por respostas pragmáticas pode ser válida, mas também pode ser sinal de lacuna e falta de predisposição à introspecção, à reflexão e a héxis que fundamenta a discussão. Como liderar e gerir sem amadurecer a capacidade de escuta, compreensão e diálogo?

A adrenalina retorna às aulas quando convoco Ícaro, o sonhador equivocado das asas de cera, abro a caixa de Pandora, desacorrento Prometeu e chamo Cassandra para depor sobre sua dificuldade em persuadir e antecipar os riscos. Cada aluno toma seu assento na nave de Sofia, apertamos os cintos e sobrevoamos os céus do Peloponeso, contemplando pela janelinha a mítica Atenas onde circulam os adoráveis peripatéticos pelas ruas e becos. Contemplamos lá de cima o rio da dialética de Heráclito e bem de perto, voando ao nosso lado, a Coruja de Minerva – a que alça voo quando as sombras caem, diz o oráculo – nos acompanha.

Imitando a voz piloto de avião, alerto a todos:   

– Senhores passageiros, em caso de turbulência, máscaras de oxigênio cairão. Primeiro coloque em si, em seguida ajude a pessoa ao lado…   

 

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

Os Jogos Olímpicos de Tóquio e a Rosa de Hiroshima

A cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2020 me deixou impactado.  Sem clima de festa, sem estardalhaço, sem público, o evento transcorreu sereno como uma liturgia minimalista e intimista, com performances enraizadas em valores ancestrais. Os organizadores...

ler mais

Covid, finitude e velhice: o retorno das perguntas radicais

Não se envelhece para morrer, mas para saciar nossos corações de vida, diz o cardeal e poeta português dom José Tolentino de Mendonça em artigo que questiona a obsessão secular da humanidade em busca da juventude eterna. A pandemia escancarou ainda mais o drama da...

ler mais

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

junte-se ao mercado