Vinte e nove horas de silêncio: em vez de medo, orgulho…

jun/2022

A leitura dos “silêncios” e o que eles revelam: por que precisamos quebrar o silêncio?

 

“O óbvio precisa ser dito”. Este é o tom de mais um mês em que, ainda, precisamos reafirmar a dignidade das pessoas dissidentes da cis heteronormatividade estruturalmente imposta. Não é como se a cada ano comemorássemos avanços, mas precisamos repetir a reivindicação de direitos básicos. Deveria ser um mês celebrativo, mas ainda tem viés de denúncia; ainda precisa pesar. Em tons jocosos, cita-se a letra “gay também é gente” (da música de Mamonas Assassinas), mas em campos de discussões que se propõem a ser sérias, esse ainda é o tipo de argumento que precisa ser usado. “Somos humanos, temos direitos”. Não é óbvio? Deveria ser… mas o óbvio precisa ser dito! Precisamos quebrar o silêncio!

Então, digamos… e sejamos diretos: o Brasil ainda é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo – uma a cada 29 horas, segundo dados de levantamento anual feito pelo Grupo Gay da Bahia (GGB). No já “tradicional” Mês do Orgulho LGBTQIA+, costumamos nos deparar com os mesmos questionamentos que só reforçam os porquês de ainda ser tão necessário termos datas que deem visibilidade às questões ligadas a diversidade sexual e de gênero. Algumas pessoas insistem em uma falsa simetria, pautando, por exemplo, o “Dia do Orgulho Hétero”, que chegou a virar projeto de lei em cidades como Rio de janeiro, São Paulo e Paraíba, aprovado, em primeiro turno, pela Câmara de Cuiabá. O orgulho é o sentimento que se opõe ao medo… então, quem pode reivindicar o orgulho? Quem tem medo? A resposta: quem está em perigo. Precisamos quebrar o silêncio!

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), levantou números inéditos sobre a população LGB (sim, apenas Lésbicas, Gays e Bissexuais, sem contemplar outras letras da sigla) no Brasil. Emblematicamente, às vésperas do Mês do Orgulho, os dados foram divulgados e repercutiram, gerando uma série de discussões a respeito de sua representação e representatividade. Além do que se pode afirmar sobre os resultados quantitativos da pesquisa, existe muito que se pode dizer, também, sobre as entrelinhas e subjetividades. Essa é a leitura que realmente importa e precisamos quebrar o silêncio!

Segundo o IBGE, 1,9%, (2,9 milhões de pessoas), declaram-se como homossexual ou bissexual no Brasil. Considerando que essa coleta foi feita em 2019, logo após a alçada do conservadorismo, é possível apontar para os motivos pelos quais, de acordo com a mesma pesquisa, 3,4% da população (5,3 milhões de pessoas) não souberam e/ou não quiseram responder. Os números do IBGE parecem, pelo menos, inverossímeis, se observarmos, por exemplo, que, somente a Parada LGBT de São Paulo (a maior do mundo), que aconteceu em 19 de junho de 2022, reuniu, segundo a organização do evento, o público recorde de 4 milhões de pessoas. Um levantamento feito pelo Observatório de Turismo e Eventos, da São Paulo Turismo (SPTuris), durante a Parada, aponta que 19,1% (764 mil pessoas) do público presente se declarara heterossexual, enquanto 81% (3,2 milhões) se identifica como homossexual, bissexual, pansexual e ainda com outras orientações. Será que todas as pessoas LGBTQIA+ do Brasil estavam presentes na Parada de São Paulo? A quem interessa fazer crer que a população LGBTQIA+ é uma minoria quantitativa no Brasil? Nós precisamos quebrar o silêncio!

A Geografia (e correlatos) é outro dado importante a ser lido. A pesquisa do IBGE dá conta de que a região Sudeste registra o maior percentual (2,1%) de homossexuais ou bissexuais, enquanto o Nordeste tem a menor porcentagem (1,5%). Se cruzarmos esses números com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das regiões (que observa aspectos de escolaridade, renda e saúde), também fornecidos pelo IBGE, os menores IDH do Brasil se concentram justamente nas regiões Norte e Nordeste. E o que isso tem a ver com a sexualidade das pessoas? Basta analisar os seguintes dados da pesquisa recente: a população de homossexuais ou bissexuais é maior entre os que têm nível superior (3,2%), maior renda (3,5%) e idade entre 18 e 29 anos (4,8%). A vulnerabilidade da população LGBTQIA+ é um projeto que se associa na interseccionalidade de outras lutas minoritárias; existe uma intrínseca relação entre todas essas litas e desassociá-las (e enfraquecê-las) só interessa a quem possui o status de dominação e privilégios. Precisamos quebrar o silêncio!

Em 2021, pelo menos 300 pessoas LGBTQIA+ foram silenciadas de forma violenta no Brasil. Uma a cada 29 horas… vítima de crime de ódio apenas por serem LGBTI. Essa informação, subnotifcada, choca. Choca e alerta: “existe ‘pena de morte’, sim, para LGBTIs no Brasil”. Depois de erguerem a voz, pelo menos 300 pessoas foram silenciadas… e na, também subnotificada, pesquisa do IBGE, pelo menos 5,3 milhões de pessoas também silenciaram. O que esses silêncios revelam? Que o Brasil não é seguro para esta população. Que o medo ainda é o sentimento que move pessoas LGBTQIA+ neste país. Que, se o orgulho é o sentimento que se opõe ao medo, precisamos trabalhar arduamente para que essa população consiga superar o medo, se orgulhar, erguer a voz. “Quem cala consente”, dizem. Diante do que os silêncios revelam, qual o seu posicionamento? Precisamos quebrar o silêncio!

_______________

O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Alan di Assis

Alan di Assis

Colunista Convidado

Comunicólogo/jornalista, MBA em Marketing Estratégico, gestor de comunidade, produtor e consultor em Diversidade

Mais artigos

A potência oculta dos ritos de passagem

Vocês já repararam quantos ritos celebramos nos meses do verão? A temporada começa antes do Natal. Sagrados ou profanos, eles estão presentes nas tradicionais confraternizações que demarcam o fim do ano laboral, com os lúdicos “amigos-secretos”, típicos ritos “de...

ler mais

Priorizar a saúde mental

Foi há uns tantos anos atrás, eu atuava em um RH do Polo Petroquímico de Camaçari, foi quando escutei um operário chamar um colega de chão de fábrica, de Tarja Preta. Rodrigo era seu nome e ele havia usado antidepressivos ao longo de um período da doença. O bastante...

ler mais

Os saveiros e a aceleração social do tempo

Um dos produtos mais misteriosos que os mestres de saveiros transportavam nos barcos ancorados no Porto da Barra de minha infância era o Tempo. Traziam todo tipo de mercadoria para abastecer a feira livre do bairro, vindos das mais longínquas praias, muito além da...

ler mais

Pensamento crítico e inteligência artificial

Era o Reino das Matemáticas, no curso de Tecnologia da Informação. Foram vários semestres ao longo de quatro anos, diferentes turmas, mas em cada uma  fui recebido com um misto de cordialidade e desconfiança. Temiam que a disciplina de Psicologia fosse perda de tempo...

ler mais

junte-se ao mercado