Capitu, o Brasil e suas verdades

fev/2020

Há mais de um século nos debatemos com a inquietante dúvida acerca da suposta traição de Capitu a Bento Santiago, em Dom Casmurro. Dúvida, que até pouco tempo, impossibilitava a nós, expectadores dos fatos históricos, uma visão lúcida do cenário – ora por temermos enveredar por uma trama alucinatória, ora por receio de sermos injustos com Capitu, ora por não admitir que vivemos todos uma grande encenação, ou ainda, por acharmos que, verdade ou não, a traição é natural e irrelevante.  

 

Só que agora existem duas verdades evidentes: Capitu traiu Bentinho e todos na Corte sabiam e se locupletavam – uns esbanjando em noitadas luxuriosas, outros catando as migalhas remanescentes do chão do palácio.

 

Mas ainda existem plebeus que se perguntam se devemos acreditar nas tramas sórdidas. A recusa em enxergar desvela um processo de negação, que quando não bem processado, tende a ter consequências perversas. Nesse caso, no campo político e social.

 

Para aproveitar a oportunidade dada pelo momento histórico e ir adiante nos avanços políticos, temos que suplantar rígidos posicionamentos partidários e admitir a engrenagem parasitária a qual estamos submetidos. Urge finalmente começar o processo de expurgação, freando a fixação no feroz embate entre quem é mais ou menos culpado e entendendo que não existe o lado do vilão ou do mocinho.  

 

A plebe não sofre só pela traição, mas porque agora percebe que enquanto permaneciam à luz de candeeiro, as luzes que resplandeciam do Casarão Republicano não advinham da gratuita e democrática luz do luar. No entanto, a fatura sempre chegou a eles.

 

E, assim, com a traição escancarada, ultrajados, teremos que começar a reconhecer que mais que sexual, a traição, nesse caso, é perversa e subtrativa, sendo necessário convencer a si próprio de que existe saída, que não o destino de vítima.

 

Tenha coragem, Senhor Bentinho, para não inviabilizar a sequência do processo democrático e de expurgação. Admitir que Capitu esteve nua nos braços de outro é sofrido, mas é a única forma de poder tê-la novamente nos próprios braços.

 

De fato, a Rainha está nua.

 

Encarar a dupla moral a que estamos submetidos, onde em alguma medida somos também corruptores e corrompidos, permite ver além dessa “moral de circunstância”. A traiçoeira corrupção, com sua impactante abrangência é elemento constitutivo do tecido social e de todos nós.

 

Bentinho deixou passar o bom da vida preso a um passado de aflitivas dúvidas. Hoje se depara com a verdade que lhe foi jogada na cara. Sua tarefa agora é refletir sobre a parte que lhe cabe nisso tudo e escapar da tentação das obsessões que podem paralisá-lo pela via da negação, vitimização e ressentimento.

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Analista política e de mercado. Especializada no comportamento do eleitor e consumidor.  Psicóloga, psicanalista e Mestre em Políticas Públicas.

Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado