De olho em 2020

jun/2019

Enquanto costuras políticas desenham o quadro de candidaturas para 2020, profissionais envolvidos com as eleições ainda batem a poeira das roupas por conta da rasteira de 2018. Afinal, “nunca antes na história desse país” certezas convencionadas estiveram tão na berlinda. Só para refrescar a memória, um exemplo emblemático: Alckmin com a metade de todo o tempo disponível na TV e atendido por uma equipe experiente, acabou quase  atrás do Cabo Daciolo. E assim foi pelo Brasil inteiro, surpresa atrás de surpresa.

O ano que vem promete. Vai ser a nossa primeira eleição depois de uma dolorosa quebra de paradigma. A se confirmar a promessa do Big Data, tudo se resolverá nos algoritmos e nas redes sociais. Robôs vão decidir o destino das candidaturas em mais de 5 mil municípios. Vamos precisar de pesquisas qualitativas? Para quê? Basta varrer os grupamentos de interesse nas redes e teremos um panorama do pensamento do eleitor. Tudo num clic, muito mais barato do que bancar o deslocamento de equipes por esses rincões afora. Com a vantagem de que essas mesmas pessoas receberão diretamente as nossas mensagens, “conversando” especificamente com seus posicionamentos.

Perfeito. Profissionais de marketing e de pesquisa estão todos dispensados. Inclusive, os redatores, pois os robôs já estarão programados com o texto exato para quebrar a resistência de qualquer argumento contrário. Tudo com uma precisão matemática. Enfim, o sonho dourado de qualquer candidato. Só uma perguntinha: e se todos os candidatos de todos os partidos contratarem esses robôs, o que acontece? Tudo indica que teremos o mais espetacular empate da história das eleições.

Esse panorama ficcional não é novo, apenas se sofisticou. Mas o princípio que rege seu apelo não é muito diferente das fitas VHS que eram vendidas pra gente fazer ginástica em casa. Em tese, decretariam o fim das academias e o desemprego dos personal trainers. Só que não. Pois quanto mais absolutos tentamos ser na compreensão da diversidade humana, paradoxalmente mais limitados nos tornamos em termos de informação. Por uma razão muito simples: o robô identifica valores passíveis de se converter em dados precisos, descartando (por não “enxergar”) os meios tons e as instabilidades do pensamento. Em momentos como em 2018, em que se estabeleceu uma polarização radical, pode funcionar por ser uma circunstância à feição da “matemática”: esquerda ou direita, preto ou branco, Bahia ou Vitória. 2020 deve ser diferente.

O radicalismo já terá sido avaliado. Algum bom senso voltará à tona. Só uma conversa olho no olho, portanto, será capaz de identificar o padrão das pré-disposições e todas as suas nuances. E, quem sabe, a máxima da pensadora alemã Hanna Harendt, será lembrada: “a única coisa que todos temos em comum é sermos todos diferentes uns dos outros”.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

junte-se ao mercado