Entrevista: Zeca Sento Sé – Diretor de Criação e Novos Projetos Tao Interativa

“A tecnologia acelerou muito toda forma de conhecimento. Antes, era necessário comprar um livro, assistir uma aula ou fazer um curso. Hoje o conhecimento está disponível na web em diversos filmes, textos, slides etc.”                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       

 

ABMP: A Tao Interativa, da qual você é sócio, é uma agência baiana de 12 anos, mais madura que a maioria do setor. O que difere a agência de outras do ramo em Salvador?

Z.S: A Tao nasceu dentro de uma grande empresa de tecnologia baiana que uniu-se a dois caras de comunicação, um vindo do Rio de Janeiro e o outro de São Paulo. E isso nos deu a capacidade de entender como a tecnologia poderia agregar a comunicação.

Quem contrata a Tao leva uma empresa madura com uma grande experiência em projetos digitais e a capacidade de compreender e resolver problemas de comunicação de uma forma mais estruturada. Por outro lado, para quem trabalha na agência, esses 12 anos de experiência garantem processos definidos, além de solidez que é muito importante nos dias de hoje. Nosso time sabe o benefício que é trabalhar em uma empresa segura, que cuida da sua gestão e que honra seus compromissos. Isso faz com que os profissionais mantenham o foco em suas tarefas e em seus objetivos.


ABMP: 
Que a Bahia é celeiro de grandes criativos já sabemos. Mas, é também uma praça de portas abertas para inovações?

Z.S: Acho que ainda falta um pouco para sermos uma referência no quesito inovação. Temos grandes profissionais sem dúvida, mas ainda falta um mercado adubado para que essas ideias possam ser configuradas como inovação. Vejo que falta um pouco da cultura de risco. Deixar de lado a fórmula que está dando certo no vizinho e ousar mais para ditar os diferenciais do seu próprio mercado.

 

ABMP: O cliente anunciante, seja local ou nacional, segue lado a lado das evoluções tecnológicas e formas de secomunicar com o público-alvo ou está sempre um passo atrás?

Z.S: Entendo que temos anunciantes que fazem os dois movimentos diferentes: uma parte ainda está focada na sua atividade fim, deixando essa expertise por conta das suas agências; e outra parte já percebe a comunicação e os dados gerados pela tecnologia como fator relevante nas tomadas de decisão.  Esse segundo grupo faz questão de se manter atualizado e discutir com frequência ações e novas possibilidades tecnológicas.

O Senac Bahia, nosso cliente há 6 anos, é um desses anunciantes que acompanha as transformações de perto. Sua equipe participa sempre de cursos e seminários e está atenta as novidades das redes sociais, plug-ins, sistemas etc. Isso é bom porque também nos estimula a sempre estar atualizados e ajuda a entender melhor quando propomos algo que parece novo demais ou até arriscado, mas que acreditamos que dará um bom resultado.


ABMP: 
Como crescer em um mercado ainda em desenvolvimento como o nosso?

Z.S: 
Esse é o grande desafio para todas as agências digitais da Bahia. Acho que não existe uma fórmula, mas aqui na Tao adotamos a postura de focar em dois pontos: editais e parcerias estratégicas. O leão do dia-a-dia não pode ser conquistado na briga do menor preço, pois uma entrega de qualidade demanda tempo e isso tem um custo. Entendemos que os projetos maiores nos dão condições de realizar um trabalho mais bem planejado e com resultados para nossos clientes. Esses jobs, em sua maioria, aparecem através de licitações. São projetos mais longos, de até cinco anos e envolvem planejamento, desenvolvimento e manutenção.

O outro foco são as parcerias estratégicas. Tivemos algumas bem interessantes ao logo desses 12 anos, mas, nos últimos dois, passamos a apostar com maior ênfase em aquisições. No momento, por exemplo, estamos adquirindo outra agência digital que tem uma boa equipe de produção e bons produtos digitais para o mercado de varejo, além de uma solução específica em gestão escolar. Essa é a aposta para a nossa meta de crescimento em 2017 e para os três próximos anos.

 

ABMP: Quais foram as principais e melhores mudanças para o mercado da agência digital na Bahia nestes 12 anos?

Z.S: 
Sem dúvida a conscientização. Veja: o crescimento do mercado nesses 12 anos foi absurdo. A tecnologia acelerou muito toda forma de conhecimento. Antes, era necessário comprar um livro, assistir uma aula ou fazer um curso. Hoje o conhecimento está disponível na web em diversos filmes, textos, slides etc. Essa transformação gerou uma massa de informação muito grande e a clareza de que é preciso estar no mercado digital e estar bem assessorado se quiser crescer.

Hoje nossos clientes entendem que um site só serve se for uma ferramenta de comunicação, que precisa ser pensada estrategicamente, ter uma boa arquitetura e ser convergente com os outros meios digitais. O usuário não pode chegar e ficar perdido, o tempo de resposta precisa ser o mínimo possível. Ou ele acha o que precisa nos primeiros 10 segundos, ou ele muda e vai para o seu concorrente. Projetos assim levam tempo para serem produzidos e precisam de profissionais capacitados para cada função. O anunciante já entende melhor essa necessidade.

 

ABMP: O que podemos esperar daqui em diante?

Z.S: 
A comunicação hoje é on Demand, assíncrona e precisa atender o desejo e o tempo do usuário. Temos a nosso favor uma quantidade infindável de dados sobre comportamento, ferramentas e métodos que nos ajudam a elaborar melhor nossos planejamentos. A mira ficou mais precisa e as oportunidades de ouvir e atender aos interesses do público, mais fácil.

Por conta do volume e da necessidade de dar responsas rápidas, o desafio é ter instrumentos e profissionais com amplo conhecimento em análise de grandes volumes de dados e equipes preparadas para responder just in time. Sem dúvida temos oportunidades gigantescas para jovens que desejam apostar neste mercado e para anunciantes que têm um olhar e desejos mais ambiciosos.

 

Outras entrevistas

Entrevista: Ricardo Alban – Presidente da FIEB

"Até o momento, não verificamos sinais concretos de recuperação da produção industrial baiana. É preciso acompanhar os dados dos próximos meses para atestar uma possível reversão do quadro negativo atual."                                                               ...

ler mais

Entrevista: Armando Avena – Economista, jornalista e escritor

"A recessão foi uma das piores do Brasil, mas já está passando. Na verdade, o primeiro trimestre de 2017 mostra que o país já começou a sair da recessão, mas de forma lenta. O problema do Brasil, neste momento, é muito mais de caráter político do que econômico."     ...

ler mais

Entrevista: Pedro Dourado – Presidente da Uranus 2

"Outro fator importante na nossa atividade de prestação de serviços é o fator humano. Não dá para trocar um funcionário por trocar, tem que tentar recuperá-lo pensando que isto é investimento e não custo. "                                                             ...

ler mais

Entrevista: Sérgio Valente – Diretor de Comunicação da Globo

"As marcas não precisam morrer nunca, elas só precisam renascer todos os dias."                                                                                                                                                                                             ...

ler mais

junte-se ao mercado