Hora de “chamar a responsabilidade”

abr/2019

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente. Afinal, a comunicação orientada às redes sociais tem por base mobilizar afetos, mantendo assim, o seu público (fiéis) excitado permanentemente e comportando-se como se em campanha ainda estivéssemos. A formação de opinião navega na troca agressiva de acusações sustentada por discursos que dispensam fatos, em meio a um bombardeio de versões desencontradas de assuntos diversos, onde qualquer dissenso, surpreendentemente, parece implicar na anuência com o seu oposto, atestando a superficialidade do pensamento vigente. É a tendência infantil de não admitirmos ser contrariados. É a pós- verdade se impondo através desses receptores impermeáveis a tudo que os contradizem.

A atitude do Presidente, que deveria servir de modelo para que o padrão de relacionamento entre os brasileiros voltasse a um equilíbrio, só atiça as torcidas. Deveria ser sua missão, juntar os cacos de uma nação que extrapolou os limites do bom senso no empenho de elegê-lo ou de não elegê-lo. Já está mais do que na hora dele entender que a campanha acabou e deveria ser lembrada como um dia de clássico no futebol, em que não se economizou o pior palavreado e se provocou o adversário sem dó, e que agora, jogo terminado, tendo perdido ou ganhado nosso time, nos toca ganhar a vida. É hora, portanto, de abrandar o tom que acirra adversários e abraçar o regulamento.

Precisamos de um Presidente adulto, focado em promover estabilidade e que compreenda que seu comportamento, como estratégia de governabilidade, racha a nação e desvia-o do foco ao ter que permanentemente refutar crises fabricadas por polêmicas declarações, quando deveria estar ocupado em estimular pautas positivas.  

Quanto a nós, importante tentar entender a encrenca na qual nos metemos com esse diálogo de surdos. A questão agora não é quem errou mais, mas encarar as contradições de ambos os lados para romper com essa espécie de alucinação coletiva. Sem esse necessário desencanto, não conseguiremos atingir o amadurecimento político para suplantar os obstáculos.

Acabou o Fla x Flu, acabou o Ba-Vi, acabou o Grenal. Daqui pra frente, a catimba, a cera técnica, o gol com a mão, a entrada faltosa, a pressão no juiz e o gesto malcriado pra torcida adversária já não têm mais lugar. Agora, Bolsonaro e seu time precisam começar a jogar pelos vinte e dois em campo e pelos torcedores do estádio inteiro. E, como dizem os craques “chamar a responsabilidade”. E quanto a nós, cabe abrir espaço para o divergente. Afinal, quem só corre atrás do rabo não avança para frente.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Publicado originalmente no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

junte-se ao mercado