Hora de “chamar a responsabilidade”

abr/2019

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente. Afinal, a comunicação orientada às redes sociais tem por base mobilizar afetos, mantendo assim, o seu público (fiéis) excitado permanentemente e comportando-se como se em campanha ainda estivéssemos. A formação de opinião navega na troca agressiva de acusações sustentada por discursos que dispensam fatos, em meio a um bombardeio de versões desencontradas de assuntos diversos, onde qualquer dissenso, surpreendentemente, parece implicar na anuência com o seu oposto, atestando a superficialidade do pensamento vigente. É a tendência infantil de não admitirmos ser contrariados. É a pós- verdade se impondo através desses receptores impermeáveis a tudo que os contradizem.

A atitude do Presidente, que deveria servir de modelo para que o padrão de relacionamento entre os brasileiros voltasse a um equilíbrio, só atiça as torcidas. Deveria ser sua missão, juntar os cacos de uma nação que extrapolou os limites do bom senso no empenho de elegê-lo ou de não elegê-lo. Já está mais do que na hora dele entender que a campanha acabou e deveria ser lembrada como um dia de clássico no futebol, em que não se economizou o pior palavreado e se provocou o adversário sem dó, e que agora, jogo terminado, tendo perdido ou ganhado nosso time, nos toca ganhar a vida. É hora, portanto, de abrandar o tom que acirra adversários e abraçar o regulamento.

Precisamos de um Presidente adulto, focado em promover estabilidade e que compreenda que seu comportamento, como estratégia de governabilidade, racha a nação e desvia-o do foco ao ter que permanentemente refutar crises fabricadas por polêmicas declarações, quando deveria estar ocupado em estimular pautas positivas.  

Quanto a nós, importante tentar entender a encrenca na qual nos metemos com esse diálogo de surdos. A questão agora não é quem errou mais, mas encarar as contradições de ambos os lados para romper com essa espécie de alucinação coletiva. Sem esse necessário desencanto, não conseguiremos atingir o amadurecimento político para suplantar os obstáculos.

Acabou o Fla x Flu, acabou o Ba-Vi, acabou o Grenal. Daqui pra frente, a catimba, a cera técnica, o gol com a mão, a entrada faltosa, a pressão no juiz e o gesto malcriado pra torcida adversária já não têm mais lugar. Agora, Bolsonaro e seu time precisam começar a jogar pelos vinte e dois em campo e pelos torcedores do estádio inteiro. E, como dizem os craques “chamar a responsabilidade”. E quanto a nós, cabe abrir espaço para o divergente. Afinal, quem só corre atrás do rabo não avança para frente.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Publicado originalmente no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Diversidade: abra suas asas sobre nós

É falar de diversidade e me vem à mente a Bahia, minha terra, com seus ecossistemas e ecologias ocupados por tão diferentes antropologias. Com um território maior do que o da França e a maior faixa de litoral atlântico do Brasil, o estado possui miríades de  rostos,...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

junte-se ao mercado