Responsabilidade Social: Quem lucra com isso?

set/2017

O conceito surgiu nas últimas décadas e adquiriu tamanha força e importância, que não deixou espaço para meias palavras ou controvérsias: atualmente, a Responsabilidade Social é parte fundamental das corporações. Somente no ano passado, segundo a pesquisa Benchmarking de Investimento Social Corporativo, o total de recursos destinados pelas empresas a projetos sociais girou em torno de R$ 2,6 bilhões.

Entender como esse processo se consolidou não é difícil. Há décadas o Estado não tem conseguido prover sozinho as necessidades sociais da população, mesmo as mais primárias, como saúde, educação, alimentação e saneamento básico. E, ao mesmo passo em que as mazelas sociais aumentavam, crescia também a expectativa de que a iniciativa privada pudesse oferecer tais serviços. Somamos isso ao aumento da consciência do consumidor, muito mais crítico e seletivo, e à importância de ações sociais e ambientais na rotina privada e corporativa.

Em um mercado agressivo, onde concorrentes disputam cada micro parcela do espaço, a Responsabilidade Social Empresarial (SRE) acabou sendo uma iniciativa para as empresas se destacarem. É o diferencial na imagem das corporações, definidora do seu próprio caráter. Em linhas bem diretas, o que a política de RSE comunica ao cliente é: “Aqui nessa empresa, vendemos mais do que um serviço ou uma mercadoria, vendemos também uma vida social mais justa. Ao dar preferência à nossa marca, você também fará parte disso”.

Estudos recentes apontam que 70% dos consumidores preferem empresas que desenvolvam ações de Responsabilidade Social ativas. As principais áreas de investimento em projetos sociais no Brasil são cultura (40% dos investimentos), saúde (16%) e direitos da criança e do adolescente (11%). Na prática, esses investimentos podem ser feitos em projetos próprios ou em instituições filantrópicas que desenvolvem trabalhos nessa área, como as Santas Casas, o GACC e centenas de outras instituições. Somente em Salvador, a Santa Casa da Bahia oferece atendimento de saúde através do Hospital Santa Izabel, mantém uma casa de saúde que assiste crianças em tratamento e familiares do interior, além das ações de educação e cultura realizadas através do Programa Avançar e dos Centros de Educação Infantil.

Mas é preciso estar atento: A sociedade não engole mais as falsas ações. O que é definido em contrato, como contrapartida da empresa, não é ação social. É obrigação! Para as empresas que não praticam ou não podem realizar investimentos diretos de capital em projetos sociais próprios ou em instituições filantrópicas, ainda há possibilidade de incentivar ações sem realiza-las diretamente. Os programas de voluntariado entre seus colaboradores ou mesmo o incentivo de campanhas de doação de serviços e materiais, são algumas opções.

Assim, o bem comum prevalece e o valor da Responsabilidade Social extrapola os números do lucro de capital, afetando positivamente toda a realidade de uma nação. Lucra o empresário, lucra também quem precisa de condições dignas de vida.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

As senhoras protetoras do mês de fevereiro

Os fãs de antigos calendários romanos e de suas estranhas métricas para a contagem dos anos, meses e dias da semana sabem que o mês de fevereiro era o último mês do ano. Seus dias eram consagrados à proteção da mãe de Marte, a deusa Fébrua, divindade do amor, da...

ler mais

Abaeté para os soteropolitanos

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua...

ler mais

2018 e o desafio da saúde

Começamos o novo ano com um cenário de incertezas para a área da saúde. Por ser um ano de eleições e, sobretudo, em um período de instabilidade política, é difícil fazer previsões. Mesmo após o ano de 2017 ter sido mais positivo em relação ao ano anterior, com tímida...

ler mais

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser...

ler mais

Em 2018, vamos ser uma metamorfose ambulante!

Dezembro declara aberta a temporada de confraternizações de fim de ano, festas com amigos, parceiros da firma, grupos de Whatsapp se repetem com os rituais de amigo secreto, seguidas das celebrações de Natal em família e, uma semana depois, o ritual do Ano Novo que...

ler mais

junte-se ao mercado