Entrevista: Carmen Silva – Líder do Movimento dos Sem-Teto do Centro – MSTC

dez/2020

“Dia após dia estamos conquistando mais espaços como cidadãos, outrora invisíveis na grande São Paulo. Hoje, o MSTC trabalha em rede e coletividade, interligando vários setores e demonstrando atuação como agente transformador na escala urbana e social.”                                                                                                                                                                    

                                                                                                                                                                          

 

 

 

Carmen Silva é ativista pelo direito à cidade, líder do Movimento dos Sem-Teto do Centro – MSTC e conselheira estadual de habitação da cidade de São Paulo. Urbanista prática, ao longo desses 20 anos de luta, tirou das ruas cerca de três mil pessoas e já lecionou em cursos de arquitetura e discute de maneira altiva com autoridades dos setores públicos, privados e acadêmicos, a questão da visibilidade das pessoas que não possuem endereço, promovendo inclusão social, acesso à saúde, educação e cultura.


Palestrante convidada no Scream 2020, nessa entrevista, ela dá detalhes de sua luta diária e conta um pouco da sua trajetória, que já rendeu prêmios e reconhecimento nacional.
 

 

 

ABMP: Desde os anos 1990, você integra o MSTC, que luta ininterruptamente pela visibilidade das pessoas que não possuem endereço. Em quase três décadas de atuação, quais foram as principais conquistas e desafios?

CS: Nesses meus 30 anos de luta, a principal conquista foi propiciar moradias definitivas para mais de 3 mil famílias. A vitória na demanda Cambridge (reforma do antigo edifício Hotel Cambridge, localizado no centro da cidade de São Paulo), por exemplo, marcou nossa trajetória. Trata-se do nosso lar ascendente na luta por direitos de milhares de pessoas, que obteve reconhecimento público nacional e internacional.

Sobre os desafios, eles são muitos, e para aqueles que não possuem endereço, as principais são a descontinuidade de programas de habitação e enfrentamento da criminalização dos movimentos sociais.

ABMP: Ser mulher neste ambiente, às vezes hostil, dá um peso maior à esta missão?

CS: A mulher é quem inicia o processo de ocupação em quase todos os casos. É a mulher quem vem com seus filhos, que assume o trabalho e aceita o desafio de luta. Ser mulher é uma condição que potencializa e une todas nós. Somos muitas em busca do direito da moradia digna para nós e nossos filhos.

 

ABMP: Temos visto, através das urnas, mudança de pensamento da população. Para os movimentos como o MSTC, o que mudou neste período aos olhos da sociedade?

CS: Dia após dia estamos conquistando mais espaços como cidadãos, outrora invisíveis na grande São Paulo. Hoje, o MSTC trabalha em rede e coletividade, interligando vários setores e demonstrando atuação como agente transformador na escala urbana e social.

 

ABMP: A pandemia, obviamente, atrapalhou as atividades do MSTC, na luta diária pela justiça social. Muitas pessoas se viram desabrigadas neste período. Como vocês se adaptaram à pandemia e mantiveram o suporte aos moradores de rua?

CS: Com a chegada da pandemia, a Casa Verbo e o MSTC se uniram para criação do Comitê Popular de Combate ao Covid19: a Operação Povo Sem Fome. Esse movimento selou um pacto de solidariedade entre a sociedade civil, poder público e investidores financeiros, para amparar a população que se encontra em situação vulnerável.

Nesse período, foram mais de 12 mil famílias atendidas, somando cerca de 60 mil pessoas recebendo itens básicos e alimentação digna.

 

ABMP: Muito se fala hoje de um ideal de cidade. Um lugar que acolhe, que dá oportunidade aos seus moradores e proporciona uma boa qualidade de vida, com justiça social. Sonhar com isso no Brasil é possível? Se sim, quais caminhos o país deve seguir na busca por esse ideal?

CS: Sim, é possível sonhar com um ideal de cidade. Um dos caminhos para se viver numa sociedade justa e inclusiva é respeitar a diversidade, onde os diferentes atuam juntos e em rede, contando com a participação efetiva da sociedade civil junto ao poder público, atuando nos vários conselhos, por uma cidade que comtemple a todos.

Outras entrevistas

Entrevista: Jacqueline Bastos – Fundadora da Abebé Cosméticos

"A partir do nosso amadurecimento, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos voltados às comunidades, fortalecendo economicamente e culturalmente as comunidades de matriz africana. "                                                                ...

ler mais

Entrevista: Isaac Edington – Presidente da SALTUR

      "Durante o verão o setor turístico, mesmo com todas as dificuldades, até nos surpreendeu de certa forma, com as taxas de ocupação. Nós acreditamos que além de ter ficado ainda mais forte como atrativo turístico nos últimos anos, antes da pandemia,...

ler mais

junte-se ao mercado