Entrevista: Jacqueline Bastos – Fundadora da Abebé Cosméticos

jun/2021

“A partir do nosso amadurecimento, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos voltados às comunidades, fortalecendo economicamente e culturalmente as comunidades de matriz africana. ”       

                                                      

 

Engenheira química, Jacqueline Bastos é a fundadora da Abebé Cosméticos, um negócio social que se conecta ao povo preto e suas raízes, unindo religião, natureza e história e causando, à primeira vista, identificação. Em 2016 iniciou-se ao candomblé, sendo o ingrediente que faltava para entender a potência destes três elementos integrados e criar algo único, com sua identidade e propósito.

O negócio, que traz consigo ainda uma função social, surgiu a partir de uma inquietação vivida por ela, causada pela falta de cosméticos para negras e negros. Seu objetivo com a Abebé é levar o olhar de autocuidado para o mundo, empoderando e inspirando outras mulheres, principalmente pretas, a acreditarem em si e no seu potencial.

 

ABMP: A produção artesanal de cosméticos e outros produtos veganos vem crescendo de forma acentuada no Brasil e no mundo. De acordo com o Ibope Inteligência, aproximadamente 14% da população brasileira afirma ser vegana, um aumento de 75% em comparação a 2012. No seu caso, empreender neste ramo foi influenciado por esta tendência sustentável?

JB: Na realidade os números e tendências de mercado são guias estratégicos importantes nas tomadas de decisões, mas, para mim, antes disso, trabalhar com cosméticos naturais e veganos é uma forma de mostrar como a comunidade de matriz africana tem a natureza como centro, e que a relação com os ingredientes naturais, como ervas e folhas, já era utilizada antes mesmo da gente entender essas práticas como autocuidado. Portanto, essa é a nossa maior influência.

 

ABMP: Como a identidade da Abebé foi construída? De que forma esta comercialização dos produtos naturais e veganos dialoga com o candomblé e o movimento antirracista?

JB: Veio dos nãos, a partir de experiências negativas. Da falta de representatividade do mercado cosmético, de como o mercado enxergava uma mãe, e de como a intolerância religiosa estava presente em Salvador. Essas insatisfações foram responsáveis por criar a identidade da Abebé, uma marca representativa e livre de padrões.

A partir do nosso amadurecimento, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos voltados às comunidades, fortalecendo economicamente e culturalmente as comunidades de matriz africana.

 

ABMP: Empreender no Brasil tem obstáculos peculiares. Com pandemia e crise econômica, então, ter que “dar seus pulos” tem sido muito mais comum. Quais são os principais desafios para botar os produtos na rua e na mão do cliente?

JB: Empreender no Brasil é desafiador, uma verdadeira roda gigante. E a gente fica muito mais tempo na parte de cima do que com os pés no chão. Hoje, nosso principal desafio é a visibilidade, tornar nossa marca conhecida, e fazer com que a comunidade e população como um todo entendam nosso propósito. Tudo isso para, a partir daí, gerar mais vendas.

 

ABMP: O candomblé e a sustentabilidade têm um ponto de encontro que é o aspecto social, o que você demonstrou idealizando a campanha “Terreiros Contra a Covid” no início da pandemia, que buscou distribuir cerca de 5 mil sabonetes e capacitar profissionalmente 30 mulheres, num curso de saboaria natural. De onde veio e até onde foi este projeto? Vem mais por aí?

JB: Esse projeto foi uma alternativa que encontramos para impactar positivamente as comunidades de terreiro. Foi incrível essa movimentação e o resultado. No pós pandemia, temos planos traçados para nos aproximar da comunidade novamente.

Temos o objetivo de desenvolver oficinas, resgatar histórias e nos fortalecer. Neste mês de junho vamos iniciar o cadastramento de consultores da Abebé para os terreiros, pois o nosso objetivo é ter um em cada casa. Os selecionados vão receber catálogo, amostras, ecobags e treinamento profissional para que, de fato, possam desenvolver uma renda e, juntos, mudar o cenário.

Outras entrevistas

Entrevista: Isaac Edington – Presidente da SALTUR

      "Durante o verão o setor turístico, mesmo com todas as dificuldades, até nos surpreendeu de certa forma, com as taxas de ocupação. Nós acreditamos que além de ter ficado ainda mais forte como atrativo turístico nos últimos anos, antes da pandemia,...

ler mais

junte-se ao mercado