Entrevista: Jacqueline Bastos – Fundadora da Abebé Cosméticos

jun/2021

“A partir do nosso amadurecimento, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos voltados às comunidades, fortalecendo economicamente e culturalmente as comunidades de matriz africana. ”       

                                                      

 

Engenheira química, Jacqueline Bastos é a fundadora da Abebé Cosméticos, um negócio social que se conecta ao povo preto e suas raízes, unindo religião, natureza e história e causando, à primeira vista, identificação. Em 2016 iniciou-se ao candomblé, sendo o ingrediente que faltava para entender a potência destes três elementos integrados e criar algo único, com sua identidade e propósito.

O negócio, que traz consigo ainda uma função social, surgiu a partir de uma inquietação vivida por ela, causada pela falta de cosméticos para negras e negros. Seu objetivo com a Abebé é levar o olhar de autocuidado para o mundo, empoderando e inspirando outras mulheres, principalmente pretas, a acreditarem em si e no seu potencial.

 

ABMP: A produção artesanal de cosméticos e outros produtos veganos vem crescendo de forma acentuada no Brasil e no mundo. De acordo com o Ibope Inteligência, aproximadamente 14% da população brasileira afirma ser vegana, um aumento de 75% em comparação a 2012. No seu caso, empreender neste ramo foi influenciado por esta tendência sustentável?

JB: Na realidade os números e tendências de mercado são guias estratégicos importantes nas tomadas de decisões, mas, para mim, antes disso, trabalhar com cosméticos naturais e veganos é uma forma de mostrar como a comunidade de matriz africana tem a natureza como centro, e que a relação com os ingredientes naturais, como ervas e folhas, já era utilizada antes mesmo da gente entender essas práticas como autocuidado. Portanto, essa é a nossa maior influência.

 

ABMP: Como a identidade da Abebé foi construída? De que forma esta comercialização dos produtos naturais e veganos dialoga com o candomblé e o movimento antirracista?

JB: Veio dos nãos, a partir de experiências negativas. Da falta de representatividade do mercado cosmético, de como o mercado enxergava uma mãe, e de como a intolerância religiosa estava presente em Salvador. Essas insatisfações foram responsáveis por criar a identidade da Abebé, uma marca representativa e livre de padrões.

A partir do nosso amadurecimento, desenvolvemos estratégias para alcançar nossos objetivos voltados às comunidades, fortalecendo economicamente e culturalmente as comunidades de matriz africana.

 

ABMP: Empreender no Brasil tem obstáculos peculiares. Com pandemia e crise econômica, então, ter que “dar seus pulos” tem sido muito mais comum. Quais são os principais desafios para botar os produtos na rua e na mão do cliente?

JB: Empreender no Brasil é desafiador, uma verdadeira roda gigante. E a gente fica muito mais tempo na parte de cima do que com os pés no chão. Hoje, nosso principal desafio é a visibilidade, tornar nossa marca conhecida, e fazer com que a comunidade e população como um todo entendam nosso propósito. Tudo isso para, a partir daí, gerar mais vendas.

 

ABMP: O candomblé e a sustentabilidade têm um ponto de encontro que é o aspecto social, o que você demonstrou idealizando a campanha “Terreiros Contra a Covid” no início da pandemia, que buscou distribuir cerca de 5 mil sabonetes e capacitar profissionalmente 30 mulheres, num curso de saboaria natural. De onde veio e até onde foi este projeto? Vem mais por aí?

JB: Esse projeto foi uma alternativa que encontramos para impactar positivamente as comunidades de terreiro. Foi incrível essa movimentação e o resultado. No pós pandemia, temos planos traçados para nos aproximar da comunidade novamente.

Temos o objetivo de desenvolver oficinas, resgatar histórias e nos fortalecer. Neste mês de junho vamos iniciar o cadastramento de consultores da Abebé para os terreiros, pois o nosso objetivo é ter um em cada casa. Os selecionados vão receber catálogo, amostras, ecobags e treinamento profissional para que, de fato, possam desenvolver uma renda e, juntos, mudar o cenário.

Outras entrevistas

Entrevista: Carine Guimarães – Modelo

"Quase tudo que consumo vem da minha comunidade, da roupa até o meu cabelo e minha unha. Tento usar minha imagem para promover negócios que são muito bons e que merecem visibilidade. Por conta da influência, as pessoas acabam procurando esses profissionais e contratam...

ler mais

Entrevista: Ana Coelho – Ex-presidente da ABMP

"Eu tenho um perfil muito feminino, de agregar e trouxe isso para a gestão. Quem quisesse vir era bem vindo pra ampliar o olhar da ABMP, pra ajudar a entidade a ter voz e ser vitrine do mercado. "                                                                       ...

ler mais

Entrevista: Pedrinho Figueiredo – Fixer

"A observação prática diária, semanal e a troca constante de informações se tornaram imperativos no cotidiano profissional de quem tem a comunicação por ofício "                                                                                                           ...

ler mais

Entrevista: Umbu Podcast

"Todos os podcasts procuram produzir seus conteúdos a partir de suas vivências e interesses. O formato de bate-papo é divertido para nós nesse momento, mas isso não significa que, no futuro, não possamos passar a fazer o Umbu de outra forma, inclusive. "             ...

ler mais

Entrevista: João Carlos de Oliveira – Diretor geral do IPAC

"Os museus precisam atuar como indutores de cultura, discutindo o agora e sendo o lugar de diversidade. Penso que poderíamos trazer os galeristas e galerias para a discussão sobre consumo de arte."                                                                       ...

ler mais

Entrevista: Luís André Bastos – CEO da Mundo PET

"Queremos que o cliente que não está nas nossas lojas continue tendo a experiência MundoPet. Então, temos uma forte comunicação nas redes sociais, investimos nos espaços de convivência para pets e tutores, realizamos eventos nas lojas e também ações offline em prédios...

ler mais

junte-se ao mercado