Entrevista: Marcelo Lyra – Ex-presidente da ABMP #EspecialABMP25Anos

abr/2023

“O mercado publicitário é reflexo da economia local. Se a economia fica mais forte, reverbera em diversos setores, inclusive no de comunicação. Acredito no poder das relações como instrumento de fortalecimento das marcas, gerando valor reputacional, a partir de iniciativas que as aproximem e promovam a interação com a sociedade, mirando sempre no desenvolvimento coletivo                                

                                                                                                                                                                         

 

 

Bem-vindos a mais uma edição de nossas entrevistas com os ex-presidentes da ABMP – Associação Baiana de Marketing e Propaganda.

Como você já sabe, a ABMP é uma organização que tem como objetivo fomentar o desenvolvimento do mercado publicitário baiano. Desde sua fundação em 1998, a entidade vem trabalhando para fortalecer a indústria de comunicação da região e expandir sua atuação.

Em 2004, a ABMP deu início à sua primeira expansão regional, que resultou na inclusão de associados em diversas partes da Bahia.

Com o passar dos anos, a entidade cresceu em tamanho e em importância, tornando-se uma referência no mercado publicitário do estado.

Este ano, a ABMP celebra seu 25º aniversário e, em homenagem a essa data especial, convidamos ex-presidentes para compartilhar conosco suas histórias e experiências à frente da instituição.

Hoje, nosso entrevistado é Marcelo Lyra, que esteve à frente da ABMP de 2003 a 2006. Vamos conhecer um pouco mais sobre sua trajetória e descobrir como a ABMP evoluiu sob sua liderança.

Confira a entrevista na íntegra abaixo.

 

ABMP: Parabéns pelo trabalho realizado na ABMP! Para você, Marcelo, o que foi mais gratificante durante a sua gestão? E como você enxerga os reflexos dos movimentos realizados no passado na construção do nosso presente?

ML: Nosso objetivo maior nas duas gestões foi ampliar a força e a presença do mercado publicitário baiano.

Para isso, levamos o trabalho da ABMP também para o interior do estado, regionalizando o associativismo, incentivando a integração e o network através da entidade. Com novas adesões, naquela época, a arrecadação teve aumento de 36%.

Fizemos também muitos eventos que se consolidaram como pontos de encontro dos profissionais da cadeia produtiva do setor, momentos riquíssimos de atualização, troca, novos negócios.

Um deles e o mais especial, foi o Prêmio ABMP, que chegou a oito edições. Os vencedores falam ainda com muito orgulho das suas vitórias. E acho muito bacana que esse legado tenha ficado.

Os eventos continuam. O Scream (Salvador Creativity and Media Festival realizado anualmente pela ABMP) está aí fazendo sucesso, trazendo convidados internacionais para trocas com os estudantes e profissionais baianos, incentivando talentos, criatividade, o empreendedorismo nas diversas formas que existem de comunicar e, principalmente, despontando a Bahia como polo criativo.

 

ABMP: Um dos grandes destaques durante o seu período de atuação é a criação do Prêmio ABMP. Qual é a importância desse evento e como ele movimentou o cenário na época?

ML: O talento baiano é tão celebrado no mercado publicitário, com tantas referências, e a gente não tinha na época nada que reconhecesse esse talento. Não só o lado criativo, mas também o do atendimento, o que está presente nos veículos de comunicação, na mídia.

Reconhecimento é sempre bom. E quando ele vem em forma oficial, no estado que é sua casa, melhor ainda. É um troféu que as pessoas guardam pelo resto da vida. Eu, por exemplo, recebi o prêmio da ABMP no ano de 2010 e guardo até hoje com carinho.

 

ABMP: Com a sua gestão, a ABMP começou a expandir seu campo de atuação para toda a Bahia, isso possibilitou agregar associados do interior, fortalecendo assim o nosso mercado e atraindo investidores.

Sabemos que hoje você agrega valor ao nosso mercado como anunciante, nos conte, qual é a sua visão atual do mercado local como fornecedor?

ML: O mercado publicitário é reflexo da economia local. Se a economia fica mais forte, reverbera em diversos setores, inclusive no de comunicação.

Acredito no poder das relações como instrumento de fortalecimento das marcas, gerando valor reputacional, a partir de iniciativas que as aproximem e promovam a interação com a sociedade, mirando sempre no desenvolvimento coletivo.

É isso que temos buscado na Acelen, estar onde a Bahia precisa, apesar de sermos um negócio B2B.

O profissional do mercado publicitário, em especial os gestores, precisam se envolver diretamente com os vetores que possam significar o crescimento da região, contribuindo para a evolução do mercado e, consequentemente, da sociedade.

 

ABMP: Reunir profissionais de diversos segmentos em torno de um objetivo comum não é uma tarefa simples, mas promover o crescimento do mercado baiano é um objetivo comum.

Que tipo de mudança você pôde perceber no mercado de comunicação baiano e como você enxerga o futuro na Bahia?

ML: A mudança no mercado de comunicação está ocorrendo a pleno vapor, independente da nossa vontade.

Se a gente remontar a 2003, quando assumi a presidência da ABMP, até 2023, quase 20 anos depois, o mercado é extremamente diferente. Muito maior, mais intenso e complexo.

Esse ambiente permanentemente em transformação não se reflete só na comunicação, mas em diversos espaços, até no metaverso. O que é que nós temos na Bahia? Nós temos uma capacidade criativa no nosso DNA, mundialmente reconhecida.

Mas, para que isso valha como diferencial, efetivamente, tem que estar direcionado a esse novo cenário de complexidade, de comunicação, que vai além da tecnologia, da evolução dos conteúdos.

Parto para a importância da comunicação corporativa na geração de valor para o negócio. A Bahia tem um arsenal de indústrias do polo petroquímico e de outros setores que não são intensivas em mídia.

A Acelen é uma empresa nova, de pouco mais de um ano, que não precisa de publicidade direta para gerar receita, não é varejista, por exemplo.

No entanto, tem grandes desafios nas operações, na transição energética, e está ativa, presente, engajada em comunicar, com transparência, seus objetivos, projetos e resultados, num modelo de comunicação 360º e contínuo, que tem agregado e muito à sua imagem e reputação.

Então, promover uma comunicação criativa, com identidade, que a conecte à reputação corporativa, seja um caminho interessante para que a importância da publicidade para a geração de valor ao negócio das empresas seja percebido de forma mais consistente.

Outras entrevistas

Entrevista: Lucas Prado – CEO Ative

"A Ative é uma empresa em eterna construção e reestruturação de áreas, negócios, a gente nasceu do digital, o que nos exige uma constante adaptação e avaliação dos processos, métodos e ações."                                                                           ...

ler mais

Entrevista: Jorge Bullos – Sócio-Diretor da Bullos Outdoor

"Creio que o mercado está em um momento ótimo de crescimento e evolução, novas práticas, novos formatos como a digitalização, oferecendo informações ao anunciante, agregando a compra de mídia."                                                                           ...

ler mais

junte-se ao mercado