>

Denominado Boas Práticas no Combate à Fraude, documento é iniciativa de Comitê da entidade associada ao CENP

A questão das fraudes, unanimemente apontada hoje, no Brasil e no exterior, como o mais grave empecilho ao progresso do uso dos veículos digitais como alternativas de comunicação publicitária, é uma das prioridades do IAB, presente em 45 países e que tem como missão promover o marketing e a publicidade digital. No Brasil, o IAB conta mais de 250 associados, entre anunciantes, agências de publicidade, veículos de comunicação e empresas de tecnologias, fornecedores de serviços dentre outros.

Para Páris Piedade Neto, que preside o comitê que coordenou a produção do manual, há uma crescente compreensão do problema da fraude na publicidade digital, seus impactos e desdobramentos também junto aos demais meios de comunicação. “O problema está subindo gradualmente na hierarquia das empresas anunciantes, mas enquanto não chegar na alta diretoria, não haverá uma solução mais duradoura”, diz.

Ele cita um estudo recente da ANA, entidade das empresas anunciantes dos Estados Unidos, que mostrou pela primeira vez desde que a pesquisa é feita, um declínio nas fraudes em empresas que adotaram medidas mais rigorosas. “O volume total de fraudes ainda é crescente, mas a pesquisa mostra com clareza: empresas que arregaçaram as mangas e as combateram colheram bons resultados”, diz Páris. Segundo ele, não basta ter uma ou outra ferramenta de combate às fraudes; é preciso boas práticas. “Se a empresa ou agência olham apenas para o preço da inserção é quase inevitável que acabe comprando mal a mídia para a sua campanha digital”, diz. “A compra precisa ser transparente, cercada de boas práticas. Foi a partir desta percepção que o comitê escolheu o título do manual”.

O Boas Práticas no Combate à Fraude é um documento compacto, e mais direto ao ponto impossível (confira informações e suas principais recomendações nos quadros das páginas seguintes).

Páris considera ainda tímida a reação às fraudes por parte das empresas anunciantes no Brasil, principalmente diante do volume de denúncias trazida pela imprensa especializada ou não, aqui e no exterior. Mas ele tem motivos para otimismo. “É um tema reconhecidamente difícil, exige tempo e paciência. Creio que estamos avançando”.

O manual do IAB Brasil é encerrado com um apelo: todos os participantes da cadeia “devem estar envolvidos em práticas responsáveis, pois qualquer um pode ser afetado e se tornar vítima dos fraudadores”.

Boas Práticas no Combate à Fraude é uma entre diversas ações que o IAB Brasil e o comitê de combate à fraude planejam fazer no futuro próximo, até por se tratar de problema em constante transformação.

Fonte: CENP em Revista

Clique aqui e leia a matéria completa na CENP em Revista.