>

mar/2018

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou no início da manhã desta quinta-feira (01) dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Em valores correntes, o PIB em 2017 foi de R$ 6,6 trilhões, voltando ao patamar de 2011, ano que Dilma Rousseff assumiu a presidência. O estudo demonstrou também que o Agronegócio foi o grande responsável pelo avanço na economia, pois sem o setor, aumento teria sido de apenas 0,3%. É importante reafirmar que a aceleração não repõe o recuo de 3,5% sobre 2015 e 2016, época da maior recessão vivida pelo país nos últimos anos.

O estudo do IBGE serviu para apontar também o crescimento em outros cenários: o avanço de 1,8% no comércio, 1,1% nas atividades imobiliárias, 1% no consumo das famílias e de 0,3% no de serviços foram aliados no processo de recuperação. Dentro do espectro do agronegócio, foi possível constatar o desempenho em 2017 foi o melhor desde 1996. O estudo constatou que o maior recuo foi na construção civil, que atingiu 5%.

Devido as crises fiscais e instabilidade política, os gastos das gestões municipais, estaduais e federais encolheram 0,6%. Como resultado, houve uma perda no investimento em economia. Mesmo com a diminuição de investimentos, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles e do planejamento Dyogo Oliveira comemoraram os avanços e reiteraram o novo ciclo de crescimento.